Pecado Original sem Culpa Herdada — Paulo, Agostinho, Tomás de Aquino

adam_and_eve

“Alguns novos teólogos negam o pegado original, que é a única parte da teologia cristã que pode ser realmente provada. Alguns dos seguidores do Reverendo R. J. Campbell, em sua espiritualidade quase exagerada, admitem a impecabilidade divina, que eles não são capazes de ver nem em seus sonhos. Mas eles essencialmente negam o pecado humano, que eles podem ver na rua.” (G. K. Chesterton)

A noção de Pecado Original é uma das doutrinas mais polêmicas na história da Igreja, especialmente quando foi primeiramente formulada por Agostinho de Hipona (354–430), mas também no princípio da Reforma Protestante — com formulações radicais pela maioria dos reformadores e, do lado Romano, o estabelecimento de um dogma “completo” do Pecado Original no Concílio de Trento (mas recuperando o Concílio de Orange de 529) —, assim como na teologia racionalista entre os séculos XIX e XX, que assumia uma opinião bastante otimista sobre a natureza humana.

A polêmica não cessou em nossa própria época, especialmente com a assimilação crítica da teoria da evolução, impondo aos teólogos e filósofos cristãos, alguns muito populares (como C. S. Lewis e Alister McGrath), a tarefa de articular diferentes maneiras de encarar a historicidade das narrativas do Gênesis e de figuras como Adão e Eva. O desafio é: como é possível o Pecado Original numa interpretação menos literal ou menos histórica (ou as duas coisas) dos capítulos 2 e 3 do Gênesis?

Pecado e Culpa

Pois bem, o Pecado Original aparece geralmente em duas formas. A primeira forma, mais simples, afirma aquilo com que todos os ramos históricos do cristianismo concordam: por conta do Pecado Original, todo ser humano nasce com uma deficiência espiritual, uma alienação fundamental, um distanciamento de Deus, uma inclinação para o pecado, que é transmitida de geração em geração à semelhança de uma doença congênita. Os ancestrais da humanidade nasceram com uma riqueza imensa, mas a apostaram imprudentemente, caíram na desgraça, e toda a descendência nasceu pobre.

Por isso, todo mundo já nasce ruim. É o que Chesterton diz que podemos ver na rua: a história humana está cheia de atrocidades, e pequenas crueldades são facilmente vistas por todo lado. A primeira versão é chamada pelos ortodoxos de Pecado Ancestral, tentando evitar a confusão com a segunda forma. Pois alguns cristãos crêem que o Pecado Original não é apenas a maldade herdada. Há algo mais: todo mundo nasce culpado pelo pecado de Adão, e portanto condenado. Essa segunda versão encontra na tradição reformada (calvinista) os defensores mais abertos, assim como nos ortodoxos seus críticos mais renitentes.

A idéia de culpa herdada suscita uma perplexidade moral. Afinal de contas, como uma pessoa pode ser culpada por algo que não fez? Podemos discutir se alguém pode assumir a responsabilidade, voluntariamente, pelo pecado de outra pessoa, e esse tipo de benevolência é essencial à teologia cristã — “Ninguém a tira de mim, mas eu a dou por minha espontânea vontade.” (Jo. 10:18a) —, como quando alguém paga uma fiança ou uma dívida que tenha levado a escravidão. Mas como posso ser culpado por algo de que não fui autor, no momento do nascimento, antes mesmo de que eu realize qualquer ato que “convalide” ou “corrobore” a sentença? Ademais, trata-se de uma culpa crescente: a geração ascendente não deixa de ser culpada quando a descendente é punida. O nexo entre autor e crime deixa de ter qualquer relevância.

Como David Bentley Hart apontou aqui e ali, uma culpa herdada é um conceito tão logicamente coerente quanto o de um círculo quadrado. Pois culpa, objetivamente, significa: você violou a regra.

Essa segunda versão tem em Agostinho sua origem teológica, ainda que com precedentes patrísticos. Afinal, pergunta Agostinho aos pelagianos, se o batismo é “para remissão de pecados” (At. 2:38), por que batizamos crianças? Agostinho extraiu do costume a teologia (lex orandi lex credendi): só poderia ser porque as crianças já nascem carregando a culpa do pecado de Adão. O resultado mais terrível era de que as crianças que não foram batizadas, ou seja, a maioria delas, estavam por isso mesmo condenadas (De Pec. mer. et rem. et de Bapt. parv., I, c. 21, aqui). O instrumento de graça se torna, assim, instrumento de desgraça para quem não goza dele.

O relacionamento entre o Pecado Original e o batismo infantil não foi criação de Agostinho. Segundo Jaroslav Pelikan, é em Cipriano de Cartago (c.200–258), muito lido e citado por Agostinho, que a correlação entre esses dois elementos se mostra pela primeira vez. Na realidade, penso que esse relacionamento já estava indicado in semine em Rm. 6:6,7, se lido contra 1Co. 15:22, mas isso é outra história.

locus histórico para discussão da teologia do pecado original é Rm. 5:12-21, texto em que Paulo contrasta Adão e Cristo. Há outros textos, como os Gn. 2–3 ou o Sl. 51:5, mas o fato é que esses são casos de eisegese, de imposição doutrinal sobre o texto; não existe “Pecado Original” no Antigo Testamento. Nenhum desses textos conhece a noção de que o pecado do primeiro ser humano é transmitido aos descendentes, seja como maldade herdada, seja como culpa herdada.

In Quo Omnes Peccaverunt

A noção de “culpa herdada” surge em Agostinho de uma leitura defeituosa de Rm. 5:12. Agostinho normalmente não utilizada o Novo Testamento em sua língua original, mas na tradução latina. Como todo intérprete preso a uma tradução defeituosa, Agostinho é induzido a erro. Qual era o erro? Note o texto latino e sua tradução (Pe. Antonio Pereira de Figueiredo, séc. XVIII):

“Portanto assim como por um homem entrou o peccado n’este Mundo, e pelo peccado a morte, assim passou tambem a morte a todos os homens por um homem, no qual todos peccaram. (Rm. 5:12, Pe. Figueiredo)

propterea sicut per unum hominem in hunc mundum peccatum intravit et per peccatum mors et ita in omnes homines mors pertransiit in quo omnes peccaverunt (Rm. 5:12, Vulgata)

Note que “por um homem”, em negrito, fica por conta do Pe. Figueiredo, mas o sentido já estava dado no original: in quo (no qual), que é masculino, só poderia se referir ao unus homo (ac. unum hominem), que é masculino. Isso quer dizer: todos os homens pecaram em Adão. Os grandes luminares da teologia ocidental medieval utilizaram esse texto latino, e por ele foram levados a pensar que, quando Adão pecou, toda a humanidade pecou “nele”.

Creio que em Tomás de Aquino (1225–1274) essa noção de culpa herdada encontra uma forma mais explícita que em Agostinho; o “boi mudo” usa o vocábulo latino culpa explicitamente e sem rodeios, e mostra conscientemente depender da versão incorreta de Rm. 5:12. Por exemplo:

…o pecado original não é realizado por nossa própria vontade, senão talvez enquanto a vontade de Adão é considerada nossa, segundo o modo de dizer do apóstolo, em Rom. 5, “no qual todos pecaram”(ST, IIIa q. 84 a. 2 ad 3) [….peccatum originale non est nostra voluntate peractum; nisi forte inquantum voluntas Adae reputatur nostra, secundum modum loquendi quo apostolus dicit, Rom. V, in quo omnes peccaverunt.]

Embora a culpa não esteja atualmente no sêmen, ainda assim está virtualmente na natureza humana, a qual é acompanhada de tal culpa(ST, Ia-IIae q. 81 a. 1 ad 3) [Etsi culpa non sit actu in semine, est tamen ibi virtute humana natura, quam concomitatur talis culpa.]

De fato, Tomás de Aquino era capaz de considerar que o Pecado Original herdado é voluntário, apesar de não se originar na vontade do herdeiro (ST, Ia-IIae q. 81 a. 1 co.). Em resposta à objeção levantada a partir de Ez. 18:20, que estabelece o princípio de que os indivíduos só serão julgados pelos seus próprios pecados, Tomás de Aquino responde:

“Do filho se diz que não carrega o pecado do pai, pois não será punido pelo do pai a menos que participe de sua culpa. E esse é justamente o caso que discutimos, pois a culpa é transmitida por origem do pai ao filho, assim com o pecado atual é transmitido por imitação.” (ST, Ia-IIae q. 81 a. 1 ad 1) [Ad primum ergo dicendum quod filius dicitur non portare peccatum patris, quia non punitur pro peccato patris, nisi sit particeps culpae. Et sic est in proposito, derivatur enim per originem culpa a patre in filium, sicut et peccatum actuale per imitationem.]

Não é difícil perceber que a defesa de uma doutrina inconsistente leva Tomás de Aquino a uma petição de princípio: diante de um texto claro, ele simplesmente assume o que deveria provar. Como conseqüência, Tomás de Aquino segue Agostinho em considerar o pecado original suficiente para a condenação das crianças não batizadas (ST, IIIa q. 68 a. 9 co.). Curiosamente, Tomás de Aquino considerava que o pai, e não a mãe, era responsável por transmitir o Pecado Original (ST, Ia-IIae, q. 81, a. 5), motivo pelo qual cristo não teria pai humano; ao contrário dos católicos romanos modernos, ele não considerava a “Imaculada Conceição de Maria” como necessária para a prevenção do Pecado Original de Jesus.

É claro que o catolicismo romano distanciou-se dessa posição agostiniana e tomista. O Concílio de Trento passou a empregar a expressão latina reatus (acusação, imputação), em vez de culpa. Pode-se argumentar que é uma distinção sem diferença. Não há muita diferença, senão verbal, entre dizer que alguém acusado do que não tem culpa ou é culpado do que não fez. Se toda criança nasce portadora de uma melancia e essa melancia é suficiente para sua condenação, tanto faz se a melancia se chama reatus ou culpa.

De todo modo, o catolicismo moderno caminhou numa direção mais próxima à da Igreja Ortodoxa e dos pais da Igreja “não-agostinianos”. No Catecismo da Igreja Romana (§402406) não se afirma uma “culpa herdada”, ainda que se diga que em Adão a natureza humana inteira pecou. Karl Rahner, um dos principais nomes da teologia católica romana do século XX, podia declarar: “No “pecado original” não nos é imputado o pecado de Adão.” (Curso Fundamental da Fé, Paulus, p. 139).

Eph’hō Pantes Hēmarton

Como é comum nos erros, eles se emancipam do equívoco que lhes deu origem, de modo que ela encontra defensores mesmo depois de que a tradução foi corrigida. Eis o texto grego e sua transliteração:

Διὰ τοῦτο ὥσπερ δι’ ἑνὸς ἀνθρώπου ἡ ἁμαρτία εἰς τὸν κόσμον εἰσῆλθεν καὶ διὰ τῆς ἁμαρτίας ὁ θάνατος, καὶ οὕτως εἰς πάντας ἀνθρώπους ὁ θάνατος διῆλθεν, ἐφ’ ᾧ πάντες ἥμαρτον (NA28)
Transliteração: Dia touto hōsper di’henos anthrōpou hē hamartia eis ton kosmon eiselthēn kai dia tēs hamartias ho thanatos, kai houtōs eis pantas anthrōpous ho thanatos diēlthen, eph’hō pantes hēmarton.

O que isso quer dizer? As versões em língua portuguesa não ajudam muito. A Bíblia de Jerusalém, Almeida Revista e Atualizada, NVI, NTLH e outras dizem que a morte passou a todos os homens porque todos pecaram. É uma tradução gramaticalmente defensável, e evita o erro de pensar que “todos pecaram em Adão”, mas não faz muito sentido: a morte transmitida por Adão só passa aos outros homens porque (e, portanto, depois que) cada um peca? O texto se tornaria bastante trivial. Contextualmente, não parece ser isso que Paulo quer dizer, mas sim que “pela desobediência de um só homem, muitos foram feitos pecadores” (Rm. 5:18).

Esse mesmo “porque” poderia ser lido como demonstrativo implícito: a morte passou a todos os homens, e o que demonstra isso é o fato de que todos pecaram. Mas penso que a forma mais simples seria traduzi-lo como o fazemos em At. 7:33 (“lugar em que estás é terra santa”), que é a tradução mais natural de epi + dativo, indicando “lugar”, sendo o lugar indicado pelo pronome relativo.

Ou seja, Jerônimo e os demais tradutores latinos intuíram corretamente o sentido da construção ao traduzir como “no qual”; o problema único problema é o gênero. Há dois substantivos masculinos relevantes no texto grego: homem e morte. Mas desses, o mais próximo é morte. Assim como no português, no latim o gênero de “morte” (mors) é feminino, ao passo que é masculino em grego. Não há maneira gramatical de fazer eph’hō referir-se ao anthrōpos. Assim, julgo que a tradução mais natural do texto grego, sem apelar para “entrelinhas” contextuais, ficaria assim:

“Portanto, como por um ser humano entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens, na qual todos pecaram.”

“Na qual” significaria “na morte”, uso locativo que aparece também no v. 21, sob outra construção (“o pecado reinou na morte”). Noutras palavras: assim como o pecado causa a morte (de Adão), a morte causa o pecado (dos seus descendentes).

G. M. Brasilino

12 comentários em “Pecado Original sem Culpa Herdada — Paulo, Agostinho, Tomás de Aquino

  1. Gyordano, o líder da célula onde participo disse que Adão e Eva estavam na dispensação da Inocência, Adão desobedeceu uma ordem de Deus comeu o fruto e só depois os dois passaram a conhecer que estavam nus. Então Adão desobedeceu sem saber o que seria morrer? Mas estando em inocência então não poderia ser culpado por desobedecer? O líder tentou responder mas ficou mais confuso. Você consegue dar uma posição sobre isso.

    Curtir

      1. Entendi, mas como você compreende essa questão de Adão sem essa interpretação dispensacionalista? Dificilmente ouço outro comentário.

        Curtir

  2. Então, Adão desobedeceu a Deus mas depois de comido o fruto eles conheceram que estavam nus isso que dizer a malícia que da nudez?

    Curtir

  3. Felizmente estou entendendo ainda que pouco mas, obrigado Gyordano. É que eu aprendi dentro dessa visão pré tribulação com 7 dispensação e no tempo de Adão e Eva seria a inocência, como apresentaram outra interpretação na igreja onde vou, disseram que Adão não cometeu pecado pois era inocente e não tinha lei. É mais ou menos isso, no seu entender então, Deus ordenou a Adão não comer, ele desobedeceu e teve a consequência, a morte. É isso?

    Curtir

  4. Gyordano, amei a exposição, mas relendo o texto, achei um pouco difícil “driblar” o verso 18 (talvez por um vício hermenêutico) que diz: “Pois assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para a condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação e vida”. Não consigo ainda enxergar esse texto a não ser pelo olhar jurídico (a não ser que o “juízo sobre todos os homens para condenação” seja o estado de morte que você afirmou ao final). Você poderia me ajudar com isso?
    Outra coisa. Só pra ver se eu entendi o finalzinho. Você está dizendo que o papel de Adão foi o de “deixar a morte entrar” na experiência/história humana e, daí, todos herdam um “estado de morte” (afastamento de Deus?) no qual todos pecamos???

    Curtir

  5. O argumento de Paulo, então, é que porque todos morrem (assim como Adão), deduz-se/evidencia-se que todos pecaram. É isso? O que Adão compartilha conosco é a sua morte, não o seu pecado?

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s