Batismo e Unção no Antigo Testamento

Homem cego

O Batismo e a Unção dos Enfermos têm uma raiz firme na liturgia do Antigo Testamento. Neles foram preservados dois importantíssimos elementos daqueles rituais — a água e o azeite de oliva —, assim como o sentido espiritual que comunicam, selam e provocam, especialmente quanto ao perdão dos pecados, que está presente nos ritos da Lei como nesses dois sinais do Novo Testamento (cf. At. 2:38; Tg. 5:14-15).

As continuidades e semelhanças entre os sinais de ambos os Testamentos vão muito além do que se apresenta aqui, e sem dúvida incluem outros sinais, como a Eucaristia, ainda que esta tenha um propósito único e incomparável na história da salvação. Mas o Batismo e a Unção dos Enfermos não são meras repetições do que se determinou na Lei; neles se dá sempre algo maior e mais importante do que os sacramentos antigos dos hebreus. Por isso causa espanto a simplicidade que Sto. Agostinho viu nos sacramentos cristãos, cada um ao mesmo tempo simples e sublime, certamente ambas as coisas mais do que os sinais que os precedem.
.

Batismo

At. 2:38: Respondeu-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo. Atos 2:38

Um ancestral evidente do Batismo no Antigo Testamento é a ablução de purificação. A Lei Mosaica disciplina as situações que tornam alguém impuro e provê o impuro dos meios de se purificar. A impureza impede a participação nas coisas sagradas — entrar nos lugares santos, participar dos ritos santos e tocar as coisas santas — até que a impureza seja removida.

A afinidade entre o Batismo cristão e as aspersões do Antigo Testamento era instintiva para os próprios cristãos do Novo Testamento; na Carta aos Hebreus, essses rituais da Lei são chamados de baptismoi (Hb. 9:10; acus.). Até foi preciso explicar que o Batismo cristão não era um ritual de purificação da carne, mas da consciência (1Pe. 3:21). De todo modo, a ligação foi favorecida pelo simbolismo natural da água enquanto um símbolo de vida e pureza, mas também de morte.

Na Lei, o caso mais impressionante é o da impureza provocada pelo contato com um cadáver, que só pode ser removida através de uma “água purificadora” com as cinzas de uma novilha vermelha, animal raríssimo (Nm. 19). A Lei Mosaica prevê as situações em que alguém se torna ‘impuro’, assim como deixer de sê-lo. Estar impuro impede a participação nas coisas sagradas — entrar nos lugares santos, participar dos ritos santos e tocar as coisas santas — até que a impureza seja removida.

Há outras dificuldades espantosas no ritual: os que participam dele, até mesmo o sacerdote, ficam impuros por um tempo, mesmo quando não há nenhum contato direto com o impuro (v. 7, 8, 10)! Quem tocou o cadáver deve ser purificado com essa água no terceiro e no sétimo dia; caso isso não aconteça, a Lei não prevê nenhuma outra forma pela qual essa pessoa possa voltar a ser pura. Aparentemente, é uma impureza eterna, que impedirá o sujeito para sempre de participar das coisas sagradas para sempre. Quem tocou no corpo torna-se, assim, um maldito, um pária: “essa pessoa será eliminada de Israel” (Nm. 19:13). É um destino terrível.

As cinzas dessa água purificadora são chamadas de “oferta pelo pecado” (literalmente, “pecado”, ḥattâʾâṯ). A água, por si mesma, não purifica aquele que foi contaminado com a “morte”, diferentemente de outros rituais. Algo é acrescentado a ela, o sacrifício da novilha vermelha, e isso leva à purificação.

As semelhanças com o Batismo do Novo Testamento são surpreendentes. Também o Batismo leva-nos para da morte para a vida (Rm. 6:3-7; Cl. 2:12), permitindo que participemos do Israel de Deus (1Co. 12:13) e purifica-nos dos nossos pecados (At. 2:38; 22:16; cf. Rm. 6:7). Ademais, como escrevi anteriormente, o Cristianismo não abole a linguagem sacerdotal de ‘impureza’, mas apenas a interioriza. Assim como fala de perdão, expiação e remissão, o Novo Testamento emprega a linguagem sacerdotal da purificação pelos nossos pecados (Hb. 1:3; 2Pe. 1:9; 1Jo. 1:7). Como no sacrifício da novilha, não é a água do Batismo por si que nos purifica, mas o sacrifício de Cristo, que opera nela.

Pode-se dizer, sem dúvida, que tudo aquilo que era intenção do ritual da água de purificação está incluído no Batismo, ainda que de forma única e mais gloriosa.
.

Unção dos Enfermos

Tg. 5:14-15: Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e estes façam oração sobre ele, ungindo-o com óleo, em nome do Senhor. E a oração da fé salvará o enfermo, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados.

Outro importante ritual de purificação é o da lepra. A despeito de como encaremos esse fato, a purificação envolve sacrifício e expiação pelos pecados. Em certos casos a lepra é o castigo por um pecado (Nm. 12:9-10; 2Sm. 3:29; 2Cr. 26:20; cf. Lv. 14:34). Pela prescrição mosaica, os leprosos deveria viver fora da comunidade, e nisso eles aparecem juntamente com os que tocaram em cadáveres e dos que têm fluxo contínuo de sangue (Nm. 5:2-3); as três situações estão de certo modo ligadas à doença e à morte.

Caso a lepra retrocedesse, o sacerdote poderia realizar sua purificação através do ritual prescrito na Lei, o qual, assim como o anterior, envolvia a água e os sete dias (Lv. 14). Mas o ponto alto do ritual é o momento em que se usa azeite para unção. Assim como o ritual da ordenação dos sacerdotes levitas, a purificação dos leprosos envolvia sangue, água e óleo, e esse óleo era parte do processo de expiação e purificação.

Lv. 14:15-18: Também tomará do sextário de azeite e o derramará na palma da própria mão esquerda. Molhará o dedo direito no azeite que está na mão esquerda e daquele azeite aspergirá, com o dedo, sete vezes perante o SENHOR; do restante do azeite que está na mão, o sacerdote porá sobre a ponta da orelha direita daquele que tem de purificar-se, e sobre o polegar da sua mão direita, e sobre o polegar do seu pé direito, em cima do sangue da oferta pela culpa; o restante do azeite que está na mão do sacerdote, pô-lo-á sobre a cabeça daquele que tem de purificar-se; assim, o sacerdote fará expiação por ele perante o SENHOR.

Portanto, assim como o azeite do ritual de purificação da lepra era veículo de perdão, também o azeite do Novo Testamento é veículo de perdão. Mas a diferença óbvia é que, enquanto o óleo da Lei era usado após a cura da lepra, no Novo Testamento ele era empregado como um sinal para a cura da lepra, como testifica o uso pelos apóstolos, ainda durante o ministério galileu de Jesus, “curavam numerosos enfermos, ungindo-os com óleo” (Mc. 6:13). Particularmente interessante é também o paralelo entre o ministro da Lei e o ministro do Evangelho: o presbítero de Tg. 5:14 corresponde o sacerdote de Lv. 14, e isso esclarece o fato de que esses presbíteros do Novo Testamento sejam ministros também do perdão divino.

G. M. Brasilino

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s