Alegria na morte do ímpio?

Não devemos nos alegrar com a morte de ninguém.

Cristo criou um grande problema quando fez duas afirmações: (1) que devemos tratar outras pessoas como queremos ser tratados por Deus, e (2) que devemos imitar a bondade de Deus para conosco — basicamente quando ele ancorou, com rigidez, os imperativos das criaturas finitas na Bondade Infinita do Absoluto Primeiro e Último.

Essas coisas estão, é verdade, em linha com a tradição dos profetas de Israel, e não são inauditas no mundo pagão de sua época — são, por assim dizer, o resplendor da Justiça Divina que nossos instintos morais e sabedoria recebida não são capazes de ignorar impunemente.

De todo modo, ao colocarmos essas coisas no centro da vida divina e do caminho cristão, nós percebemos que nossas intenções e atitudes — isto é, da maioria de nós, na maior parte do tempo — estão marcadas por insuficiência e ignorância, que condicionaram mesmo as intenções santificadas dos antigos sábios e profetas israelitas, que não tinham consciência exata e imediata do fim último (não obstante Hebreus 11), e que, em razão disso, tomavam decisões que, conquanto corretas da perspectiva de certo condicionamento teleológico finito da prosperidade de uma nação no Antigo Oriente Próximo, são incorretas para quem procura ser digno do Reino Eterno. Em algum momento, um fim maior derroga um menor.

Assim, lemos as palavras de Provérbios de que “perecendo os perversos, há júbilo” (11:10) do mesmo modo como lemos outros trechos sobre como a violência dos açoites traz purificação para os maus, inclusive crianças ( 13:24 ; 19:18,25; 20:30; 22:15; 23:13–14; 29:15,17), ou outros traços igualmente interessantes e escandalosos da sabedoria bíblica. Embora sejam essas coisas elementos da Escritura Canônica, elas não foram registradas sem atenção para as condições do momento, razão por que os cristãos, ao longo dos séculos, aprenderam a usar os salmos imprecatórios, que desejam a morte violenta dos inimigos de guerra, com referência à nossa batalha espiritual contra pecados, paixões e demônios. Não é clichê demais dizer que nossos inimigos somos nós mesmos.

É claro que nem sempre é fácil equacionar a questão. Afinal, se mesmo grandes lumes cristãos de antanho, como Tertuliano e São Tomás, foram capazes de pensar que os justos inderrogavelmente extasiados na glória da Visão Beatífica jubilariam com o castigo eterno dos malditos (“O justo se alegrará na vingança“, Sl 58:10) — para o escândalo compreensível (mas hipócrita) de Nietzsche —, que mal menor é pensar que homens de carne e sangue, como nós, celebrariam a queda temporal (leia-se: morte) dos tiranos? Não seria essa, inclusive uma forma de simpatizar com os oprimidos? Nós ainda não nos recuperamos do desafio imposto pelo Senhor.

No entanto, Deus não se alegra, e nunca se alegrou, com a morte dos pecadores, mas deseja que eles se arrependam e vivam. A possibilidade de arrependimento, transformação e perdão colocam uma perspectiva diferente nas coisas, especialmente numa religião que tem como missão precisamente isso, não apenas protegendo suas fronteiras santas contra a corrupção do mundo, mas cooperando com Deus pela salvação do mesmo mundo, tanto na união de obras quanto na união de intenções com ele, para que todo joelho se prostre e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor.

Assim, tanto Deus exulta como nós devemos festejar a justiça feita, com o fim do mal na terra. Mas essa questão é mais complicada, porque a justiça não é nunca simplesmente a punição. A justiça (ṣedaqâ) de Deus é restaurativa, e tem como fim último o estabelecimento pleno da ordem divina no mundo. Há um bem quando o mal é impedido, mas há um mal quando a possibilidade de mudança foi, ao menos em parte, eliminada — ou se, ela ainda existindo, escapa a possibilidade concreta de nossa cognição. Um Paulo convertido é justiça maior e bem maior que um Herodes morto. Por isso, ainda que haja uma alegria relativa no bem menor, há um lamento maior pela ausência do bem maior.

O perdão é infinitamente mais belo e inspirador que o castigo, e é uma faceta do Amor Eterno que só se manifestou com a “culpa feliz” dos homens. Mesmo no Antigo Testamento, Davi, que sofreu debaixo das mãos do ímpio e autoritário Saul, lamentou sua morte e felicitou os que o sepultaram.

Afinal, todo ímpio que morre é como qualquer um de nós poderia ter sido, se tivéssemos vivido em condições de vida suficientemente diferentes — e talvez ainda possamos sê-lo. Só o que nos diferencia é o dom de Deus. Por isso, teme.

Vós, filhas de Israel, chorai por Saul,
que vos vestia de rica escarlata,
que vos punha sobre os vestidos
adornos de ouro.
Como caíram os valentes
no meio da peleja!
Jônatas sobre os montes foi morto!
— 2 Samuel 1:24–25

Rev. Gyordano M. Brasilino

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s