Ainda sobre ansiedade…

Fico impressionado com quanta gente aprendeu por aí que ansiedade é pecado. Até meses atrás, eu sequer imaginava que alguém pensasse assim, acho que nunca ouvi coisa do tipo em nenhuma igreja. Ao que parece, esse tipo de pensamento é incentivado pelo pessoal do “aconselhamento bíblico”.

Isso é resultado de uma prática pastoral irresponsável, de uma hermenêutica superficial, de uma atitude humana incompassiva para com o sofrimento psíquico.

Às vezes, essa abordagem da ansiedade como pecado presta um auxílio relativo a essas pessoas, o incômodo faz com que elas se movam. Tentam enfrentar o problema “sem muletas” e às vezes conseguem, na macheza. Mas, nos casos que eu conheço, ocorre o contrário: achar que a ansiedade é pecado piora ainda mais o problema, já que acrescenta uma preocupação.

Eu não enfrento um problema muito grave com ansiedade. Na maior parte do tempo, eu tenho certa facilidade em perceber a voz da ansiedade e dizer a ela que confiarei em Deus. Para mim, isso normalmente não envolve nenhum esforço heróico, não exige a virtude da fortaleza. Mas, na prática pastoral, convivo com pessoas que não têm a mesma facilidade, se desgastam muito mais para tomarem uma decisão simples. A ansiedade lhes absorve a atenção. Sentem-se oprimidas pela retribuição do passado e pala incerteza do futuro.

A Escritura Sagrada diz, em vários lugares, que não devemos estar ansiosos:

“…não andeis ansiosos pela vossa vida…” Mt 6:25
“Não andeis ansiosos de coisa alguma…” Fp 4:6
“Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade…” 1Pe 5:7

Mas o que esses textos realmente dizem? O erro mais óbvio é tratar essas coisas como mandamentos, de maneira que quebrá-los seja pecado. Não são mandamentos, mas exortações, encorajamentos. É como quando a Bíblia diz “Não temas”, “Não chores” e coisas semelhantes. São imperativos exortativos. São palavras de compaixão que procuram inspirar, não condenar, na mesma lógica de Pv 12:25: “A ansiedade no coração deixa o homem abatido, mas uma boa palavra o alegra.” Só uma hermenêutica chapada pode tratar tudo que há na Bíblia como sendo o mesmo gênero de fala.

A Bíblia não trata como pecado a ansiedade, mas o “andar ansioso”. Que atitude é condenada no contexto de Mt 6, por exemplo? Não a de quem tem o sofrimento da ansiedade, mas sim a de quem sai em busca de riquezas, acumulando tesouros para ancorar neles a sua segurança, em vez de (como nos outros textos) procurar segurança no Senhor. Esse é o “andar ansioso” condenado pela Bíblia. Essa é a pouca fé.

A ansiedade de Maria e José por Jesus (Lc 2:48) e a de Paulo pelas igrejas (2Co 11:28) não são pecaminosas, mas antes obrigatórias, porque são resultado de certas responsabilidades pessoais.

Rev. Gyordano M. Brasilino

Confissão de Inocência

Em nenhum lugar a Escritura Sagrada incentiva a atitude de autoflagelação psicológica. Existe, sim, a necessidade urgente da confissão de pecados, da penitência, do arrependimento, da contrição, mas não devemos ter medo de reconhecer nossa própria inocência quando não estamos culpados. A caça pseudofreudiana por más intenções, sob pretexto de uma “depravação total”, é um veneno.

Talvez alguém seja tentado a pensar que Jó foi arrogante, ou se excedeu em alguns momentos, mas, no geral, ele estava em linha com a espiritualidade dos salmos. Alguém poderia dizer que Paulo foi arrogante no trecho abaixo?

Os meus pés seguiram as suas pisadas; guardei o seu caminho e não me desviei dele. Do mandamento de seus lábios nunca me apartei, escondi no meu íntimo as palavras da sua boca.” Jó 23:11–12

Daí retribuir-me o Senhor, segundo a minha justiça, conforme a pureza das minhas mãos, na sua presença.” Salmo 18:24

Faze-me justiça, Senhor , pois tenho andado na minha integridade e confio no Senhor, sem vacilar. Lavo as mãos na inocência e, assim, andarei, Senhor , ao redor do teu altar,” Salmo 26:1,6

Tudo isso nos sobreveio; entretanto, não nos esquecemos de ti, nem fomos infiéis à tua aliança. Não tornou atrás o nosso coração, nem se desviaram os nossos passos dos teus caminhos,” Salmo 44:17–18

São muitos os meus perseguidores e os meus adversários; não me desvio, porém, dos teus testemunhos.” Salmo 119:157

Senhor, não é soberbo o meu coração, nem altivo o meu olhar…” Salmo 131:1

Vós e Deus sois testemunhas do modo por que piedosa, justa e irrepreensivelmente procedemos em relação a vós outros, que credes.” 1Tessalonicenses 2:10

Rev Gyordano M. Brasilino

Sacrifício eucarístico de louvor?

Quanto ao Sacrifício Eucarístico, algumas pessoas tentam fazer uma cisão que, embora bem-intencionada (explico ao fim), é profundamente incorreta: procuram tratar “sacrifício de louvor” e “sacrifício expiatório” como coisas antagônicas e separadas. O que Cristo fez historicamente seria um sacrifício expiatório; o sacramento seria apenas sacrifício de louvor.

Essa separação cria um problema muito óbvio para qualquer pessoa com dois neurônios: a partir daí, há *dois sacrifícios* diferentes, o de Cristo e o da igreja. Isso, por si só, já é motivo de escândalo. A Igreja não presta nenhum sacrifício autônomo ou independente do de Cristo, mas apenas participa do dele. Isso é ao mesmo tempo da fonte de glória (pois ela está em Cristo e realiza tudo no nome, no poder e no corpo de Cristo) e de humildade (pois ela nada contribui de independentemente seu) da igreja.

Essa doutrina de “dois sacrifícios” leva, consequentemente, à negação da Presença Real, pois significa que o corpo de Cristo sobrenaturalmente presente não é mais aquele corpo que, na cruz, era sacrifício. O corpo de Cristo *é* sacrifício expiatório. O sangue de Cristo *é* sacrifício expiatório. Se o sacramento não é sacrifício expiatório, não é o corpo e o sangue de Cristo.

O Senhor Jesus Cristo, na instituição mesma do sacramento, nos dá indicações disso, nas diferentes versões que os evangelhos canônicos nos deixaram (Mt/Mc e Lc/1Co). Cristo diz:

— Mt 26:28: “isto é o meu sangue, o sangue da [nova] aliança, derramado em favor de muitos, para remissão de pecados.”

— Lc 22:19-20 “…Isto é o meu corpo oferecido por vós; fazei isto em memória de mim…. Este é o cálice da nova aliança no meu sangue derramado em favor de vós.”

Ao dizer “em favor de muitos”, “por vós”, “para remissão de pecados”, Cristo vincula ao seu corpo e sangue esse caráter expiatório, e ele o faz precisamente no momento exato em que institui o sentido do sacramento. É loucura estabelecer o sentido do sacramento sem atentar para exatamente o que Cristo disse naquela hora. Portanto, o sacrifício de louvor é sacrifício expiatório.

Isso se deduz também do efeito do sacramento, que é comunhão com o corpo e sangue de Cristo, assim como união espiritual entre os cristãos (1Co 10:16-17). Ora, isso não se realiza apenas por força da gratidão da Igreja, mas também e principalmente por força do caráter expiatório do corpo e do sangue de Cristo.

Eu entendo os motivos pelos quais essas pessoas querem fazer essa separação, e concordo com a intenção. Essas pessoas estão tentando evitar justamente aquilo que os 39 Artigos também condenam: a ideia de que os “sacrifícios das missas” sejam sacrifícios adicionais, com méritos adicionais, coisa que devemos rechaçar. Há um só sacrifício, o de Cristo, e tudo mais é apenas o sacrifício de Cristo mesmo, tomando corpo no mundo.

Não posso deixar de compartilhar as belas palavras do Rev. Jeremy Taylor (1613–1667), que explica magistralmente a ligação entre o sacramento na terra e o sacerdócio de Cristo nos céus:

“Assim como Cristo é um sacerdote perpétuo nos céus, e ainda assim não se sacrifica novamente, nem sem sacrifício poderia ser um sacerdote, mas pela ministração e intercessão ele representa seu sacrifício a Deus, e se oferece como sacrificado, assim também ele faz na terra, pelo ministério dos seus servos. Ele é oferecido a Deus, isto é, ele é, por orações e pelo Sacramento, representado e oferecido a Deus “como sacrificado”; o que, de fato, é uma celebração de sua morte e sua aplicação às necessidades presentes e futuras da Igreja por um ministério semelhante ao seu nos céus. Segue-se, então, que a celebração desse sacrifício é, em sua proporção, um instrumento de aplicação do sacrifício adequado a todos os seus propósitos, que ele primeiro designou. Ele é ministerialmente, e por aplicação, um instrumento propiciatório; é eucarístico, é uma homenagem e um ato de adoração; e é impetratório, e obtém para nós, e para toda a igreja, todos os benefícios do sacrifício que então é celebrado e aplicado; isto é, como esse rito é a memória e celebração ministerial do sacrifício de Cristo, logo ele é destinado a honrar a Deus, a expressar homenagem e dever dos seus servos, a reconhecer seu supremo domínio, a lhe dar graças e culto, a suplicar perdão, bênçãos e provisão para todas as nossas necessidades.”

Rev. Gyordano M. Brasilino

Por que eu não acredito em Cosmovisão Cristã?

Não sei se é só impressão pessoal ou ilusão da bolha, mas parece que de um tempo para cá esse papo de “cosmovisão cristã” perdeu um pouco de força. Em algum momento as pessoas iriam cansar, é claro, e ouvi dizer quer algumas vozes do movimento mudaram de foco. Isso é bastante positivo.

Os motivos pelos quais eu não acredito nessa ideia são principalmente três, e acho que eles ditam, em parte, os motivos do cansaço (atual ou futuro).

1. Em geral, são calvinistas aplicando o calvinismo (de certo tipo) a todas as esferas da cultura e do pensamento. Isso lhes traz o benefício de escreverem algo extremamente relevante para o grupo e profundamente irrelevante para os cristãos que não tenham essa “cosmovisão cristã”, assim como para os não-cristãos. (Além de ser mais fácil de atrair jovens em busca de intelectualidade, pois é o caminho fácil para se sentir mais douto que Aristóteles.) Então pode haver interação com os de fora, leitura, releitura, mas não diálogo no sentido estrito. Há sempre uma contaminação presumida no pensamento exterior. Por isso, é um movimento que só pode crescer de fato até atingir a pequena parcela dos correligionários; depois, como qualquer império, cansa.

2. Eu não acredito que essa coisa de “cosmovisão cristã” exista. Cristãos de culturas, eras e lugares sociais diferentes não têm a mesma cosmovisão, e a Bíblia não é suficiente para gerar uma cosmovisão, além de que seria impossível demonstrar que os escritores sagrados tinham a mesma cosmovisão. A Bíblia nos fornece uma janela para uma cosmologia, uma doutrina sobre o mundo, mas essa cosmologia não é exclusivamente cristã — ela está presente em outras religiões e deve muito à cultura helenística mediterrânea — e não é completa. Custa usar a Bíblia para o propósito pelo qual ela foi escrita e reunida?

3. Essa proposta, como várias outras, parece presumir um relativismo de fundo: se não for pelo meio “A“, resta apenas a relatividade total, o caos do pensmento. Todo mundo sabe como é ridículo quando algum apologista católico de internet vem com aquele papo de “ou o Papa, ou não tem doutrina certa”, como se essa autoridade fosse a única via de acesso à verdade. Não são fideístas, mas agem como se fossem. O caso dos cosmovisionários é que eles parecem ser mesmo fideístas. A ausência de fontes múltiplas do saber, naturalmente acessíveis para cristãos e não cristãos, tende a formar um pensmento único que é facilmente instrumentalizado na política.

Rev. Gyordano M. Brasilino