Cristo bebeu mesmo o cálice da ira de Deus?

Poucos momentos antes de ser entregue nas mãos dos homens, Jesus orava: “Aba, Pai, todas as coisas te são possíveis; afasta de mim este cálice; não seja, porém, o que eu quero, mas o que tu queres.” (Marcos 14:36)

Segundo os defensores da Substituição Penal, esse cálice, a que Cristo se refere, é o cálice da ira de Deus, que Cristo teria bebido substitutivamente, ou seja, ele teria bebido o cálice da ira de Deus no lugar dos homens, livrando-os dessa ira. Tais palavras de Jesus, como as de João 18:11 (“não beberei, porventura, o cálice que o Pai me deu?”), seriam uma confirmação da teoria. Isso é correto?

Na verdade, as Escrituras usam a imagem do cálice para significar vários destinos diferentes, bons ou maus (cf. Sl 16:5; 75:8; 116:13). Os profetas bíblicos várias vezes mencionam o cálice da ira de Deus, mas é impossível que, nas palavras de Cristo, esse seja o cálice da ira, por um motivo simples: o Senhor ensina com clareza que os discípulos beberiam do mesmo cálice que ele.

Mateus 20:22–23: Mas Jesus respondeu: Não sabeis o que pedis. Podeis vós beber o cálice que eu estou para beber? Responderam-lhe: Podemos. Então, lhes disse: Bebereis o meu cálice; mas o assentar-se à minha direita e à minha esquerda não me compete concedê-lo; é, porém, para aqueles a quem está preparado por meu Pai.

É relevante que aí seja o cálice do Senhor (“o meu cálice”); jamais se diz, em qualquer lugar, que Cristo toma o nosso cálice (cf. Ez 23:31-33), mas nós somos chamados a tomar o dele. O “cálice” da oração indica, é óbvio, os sofrimentos que o aguardavam. Usar como prova de que Jesus recebeu a ira de Deus é petição de princípio.

O Senhor não fala aqui de um sofrimento substitutivo, mas de um sofrimento representativo, participativo, no qual os próprios apóstolos deveriam se inserir. Então, longe de provar que Cristo suportou a ira de Deus substitutivamente, esgotando-a, na verdade, o tratar os seus sofrimentos como um cálice do qual os discípulos também beberiam, Cristo ensina que nós precisamos passar pelo mesmo com ele.

Ao usar o símbolo do cálice (e do batismo), Cristo visualiza uma comunhão de sofrimentos, uma partilha de aflições. Diante disso, são plenamente compreensíveis as palavras de Paulo: “preencho o que resta das aflições de Cristo” (Cl 1:24). Os discípulos de esejavam glória, mas teriam cruz. O banquete do reino de Deus é diferente.

Rev. Gyordano M. Brasilino

Christus Victor no Novo Testamento: (quase) todos os textos

Esses não são todos os textos, é claro. Outros textos que ensinam sobre o reino de Deus, sobre luz e trevas, morte e vida, são também relevantes para entender esse tema. Além disso, incluí apenas textos do Novo Testamento, embora o tema Christus Victor esteja presente desde o Antigo, particularmente nos textos que falam da vitória de Javé contra os poderes contrários. Eu selecionei os textos que falam de maneira mais clara sobre o confronto de Cristo com as forças das trevas (o pecado, o mundo, a morte, o diabo), assim como nossa libertação resultante; outros temas ligados à recapitulação, por exemplo, e ao papel do Espírito Santo, não foram enfatizados.

De fato, o texto bíblico do Antigo Testamento mais usado no Novo é: “Assenta-te à minha mão direita, até que ponha os teus inimigos por escabelo dos teus pés.” (Salmos 110:1). É um texto que proclama a vitória messiânica de Jesus sobre os seus inimigos. O fato de ser o mais citado já diz muito sobre como os primeiros cristãos viam Cristo. Comparativamente, Isaías 53:5 aparece apenas uma vez no Novo Testamento (1Pe 2:24), na parte que diz que “por suas pisaduras fomos sarados”. Cura.

Mateus 28:18
Jesus, aproximando-se, falou-lhes, dizendo: Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra.

Lucas 11:20-22
Se, porém, eu expulso os demônios pelo dedo de Deus, certamente, é chegado o reino de Deus sobre vós. Quando o valente, bem-armado, guarda a sua própria casa, ficam em segurança todos os seus bens. Sobrevindo, porém, um mais valente do que ele, vence-o, tira-lhe a armadura em que confiava e lhe divide os despojos.

Lucas 22:52-53
Então, dirigindo-se Jesus aos principais sacerdotes, capitães do templo e anciãos que vieram prendê-lo, disse: Saístes com espadas e porretes como para deter um salteador? Diariamente, estando eu convosco no templo, não pusestes as mãos sobre mim. Esta, porém, é a vossa hora e o poder das trevas.

João 8:31-36
Disse, pois, Jesus aos judeus que haviam crido nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, sois verdadeiramente meus discípulos; e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. Responderam-lhe: Somos descendência de Abraão e jamais fomos escravos de alguém; como dizes tu: Sereis livres? Replicou-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: todo o que comete pecado é escravo do pecado. O escravo não fica sempre na casa; o filho, sim, para sempre. Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.

João 10:12-15
O mercenário, que não é pastor, a quem não pertencem as ovelhas, vê o lobo chegando, abandona as ovelhas e foge; então o lobo as arrebata e dispersa. O mercenário foge, porque é mercenário e não se importa com as ovelhas. Eu sou o bom pastor. Conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem, assim como o Pai me conhece, e eu conheço o Pai; e dou a minha vida pelas ovelhas.

João 12:31-33
Chegou o momento de ser julgado este mundo, e agora o seu príncipe será expulso. E eu, quando for levantado da terra, atrairei todos a mim mesmo. Isto dizia, significando de que gênero de morte estava para morrer.

João 13:2
Durante a ceia, tendo já o diabo posto no coração de Judas Iscariotes, filho de Simão, que traísse a Jesus,

João 16:7-11,33
Mas eu lhes digo a verdade: é melhor para vocês que eu vá, porque, se eu não for, o Consolador não virá para vocês; mas, se eu for, eu o enviarei a vocês. Quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo: do pecado, porque eles não creem em mim; da justiça, porque vou para o Pai, e vocês não me verão mais; do juízo, porque o príncipe deste mundo já está julgado. Estas coisas vos tenho dito para que tenhais paz em mim. No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo.

Atos 2:22-24
Varões israelitas, atendei a estas palavras: Jesus, o Nazareno, varão aprovado por Deus diante de vós com milagres, prodígios e sinais, os quais o próprio Deus realizou por intermédio dele entre vós, como vós mesmos sabeis; sendo este entregue pelo determinado desígnio e presciência de Deus, vós o matastes, crucificando-o por mãos de iníquos; ao qual, porém, Deus ressuscitou, rompendo os grilhões da morte; porquanto não era possível fosse ele retido por ela.

Atos 26:16-18
Mas levanta-te e firma-te sobre teus pés, porque por isto te apareci, para te constituir ministro e testemunha, tanto das coisas em que me viste como daquelas pelas quais te aparecerei ainda, livrando-te do povo e dos gentios, para os quais eu te envio, para lhes abrires os olhos e os converteres das trevas para a luz e da potestade de Satanás para Deus, a fim de que recebam eles remissão de pecados e herança entre os que são santificados pela fé em mim.

Romanos 5:14,17
No entanto, a morte reinou desde Adão até Moisés, até sobre aqueles que não tinham pecado à semelhança da transgressão de Adão, o qual é a figura daquele que havia de vir. Porque, se pela ofensa de um só, a morte reinou por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça, e do dom da justiça, reinarão em vida por um só, Jesus Cristo.

Romanos 6:8-9,18,22
Ora, se já morremos com Cristo, cremos que também com ele viveremos, sabedores de que, havendo Cristo ressuscitado dentre os mortos, já não morre; a morte já não tem domínio sobre ele.
E, libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça.
Mas agora, libertados do pecado, e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida eterna.

Romanos 7:6
Mas agora temos sido libertados da lei, tendo morrido para aquilo em que estávamos retidos; para que sirvamos em novidade de espírito, e não na velhice da letra.

Romanos 8:2,21
Porque a lei do Espírito da vida, em Cristo Jesus, te livrou da lei do pecado e da morte.
Na esperança de que também a mesma criatura será libertada da servidão da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus.

Romanos 14:9
Foi precisamente para esse fim que Cristo morreu e tornou a viver: para ser Senhor tanto de mortos como de vivos.

1 Coríntios 15:21-26,54-57
Visto que a morte veio por um homem, também por um homem veio a ressurreição dos mortos. Porque, assim como, em Adão, todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo. Cada um, porém, por sua própria ordem: Cristo, as primícias; depois, os que são de Cristo, na sua vinda. E, então, virá o fim, quando ele entregar o reino ao Deus e Pai, quando houver destruído todo principado, bem como toda potestade e poder. Porque convém que ele reine até que haja posto todos os inimigos debaixo dos pés. O último inimigo a ser destruído é a morte.
E, quando este corpo corruptível se revestir de incorruptibilidade, e o que é mortal se revestir de imortalidade, então, se cumprirá a palavra que está escrita: Tragada foi a morte pela vitória. Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão? O aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei. Graças a Deus, que nos dá a vitória por intermédio de nosso Senhor Jesus Cristo.

Gálatas 1:3-4
graça a vós outros e paz, da parte de Deus, nosso Pai, e do [nosso] Senhor Jesus Cristo, o qual se entregou a si mesmo pelos nossos pecados, para nos desarraigar deste mundo perverso, segundo a vontade de nosso Deus e Pai,

Gálatas 4:1-9
Digo, pois, que, durante o tempo em que o herdeiro é menor, em nada difere de escravo, posto que é ele senhor de tudo. Mas está sob tutores e curadores até ao tempo predeterminado pelo pai. Assim, também nós, quando éramos menores, estávamos servilmente sujeitos aos rudimentos do mundo; vindo, porém, a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, para resgatar os que estavam sob a lei, a fim de que recebêssemos a adoção de filhos. E, porque vós sois filhos, enviou Deus ao nosso coração o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai! De sorte que já não és escravo, porém filho; e, sendo filho, também herdeiro por Deus. Outrora, porém, não conhecendo a Deus, servíeis a deuses que, por natureza, não o são; mas agora que conheceis a Deus ou, antes, sendo conhecidos por Deus, como estais voltando, outra vez, aos rudimentos fracos e pobres, aos quais, de novo, quereis ainda escravizar-vos?

Gálatas 6:14-15
Mas longe esteja de mim gloriar-me, senão na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim, e eu, para o mundo. Pois nem a circuncisão é coisa alguma, nem a incircuncisão, mas o ser nova criatura.

Efésios 1:18-22
iluminados os olhos do vosso coração, para saberdes qual é a esperança do seu chamamento, qual a riqueza da glória da sua herança nos santos e qual a suprema grandeza do seu poder para com os que cremos, segundo a eficácia da força do seu poder; o qual exerceu ele em Cristo, ressuscitando-o dentre os mortos e fazendo-o sentar à sua direita nos lugares celestiais, acima de todo principado, e potestade, e poder, e domínio, e de todo nome que se possa referir não só no presente século, mas também no vindouro. E pôs todas as coisas debaixo dos pés (…)

Filipenses 2:8-11
a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz. Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai.

Colossenses 1:13-14
Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor, no qual temos a redenção, a remissão dos pecados.

Colossenses 2:13-15,20-22
E a vós outros, que estáveis mortos pelas vossas transgressões e pela incircuncisão da vossa carne, vos deu vida juntamente com ele, perdoando todos os nossos delitos; tendo cancelado o escrito de dívida, que era contra nós e que constava de ordenanças, o qual nos era prejudicial, removeu-o inteiramente, encravando-o na cruz; e, despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz.
Se morrestes com Cristo para os rudimentos do mundo, por que, como se vivêsseis no mundo, vos sujeitais a ordenanças: não manuseies isto, não proves aquilo, não toques aquiloutro, segundo os preceitos e doutrinas dos homens? Pois que todas estas coisas, com o uso, se destroem.

2 Timóteo 1:8-10
Não te envergonhes, portanto, do testemunho de nosso Senhor, nem do seu encarcerado, que sou eu; pelo contrário, participa comigo dos sofrimentos, a favor do evangelho, segundo o poder de Deus, que nos salvou e nos chamou com santa vocação; não segundo as nossas obras, mas conforme a sua própria determinação e graça que nos foi dada em Cristo Jesus, antes dos tempos eternos, e manifestada, agora, pelo aparecimento de nosso Salvador Cristo Jesus, o qual não só destruiu a morte, como trouxe à luz a vida e a imortalidade, mediante o evangelho,

Hebreus 1:3-4
Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser, sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, depois de ter feito a purificação dos pecados, assentou-se à direita da Majestade, nas alturas, tendo-se tornado tão superior aos anjos quanto herdou mais excelente nome do que eles.

Hebreus 2:14-15
Visto, pois, que os filhos têm participação comum de carne e sangue, destes também ele, igualmente, participou, para que, por sua morte, destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo, e livrasse todos que, pelo pavor da morte, estavam sujeitos à escravidão por toda a vida.

Hebreus 10:12-13
Jesus, porém, tendo oferecido, para sempre, um único sacrifício pelos pecados, assentou-se à destra de Deus, aguardando, daí em diante, até que os seus inimigos sejam postos por estrado dos seus pés.

1 Pedro 3:22
o qual, depois de ir para o céu, está à destra de Deus, ficando-lhe subordinados anjos, e potestades, e poderes.

1 João 3:5,8
Sabeis também que ele se manifestou para tirar os pecados, e nele não existe pecado.
Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio. Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo.

Apocalipse 3:21
Ao vencedor, dar-lhe-ei sentar-se comigo no meu trono, assim como também eu venci e me sentei com meu Pai no seu trono.

Apocalipse 5:5-10
Vi, na mão direita daquele que estava sentado no trono, um livro escrito por dentro e por fora, de todo selado com sete selos. Vi, também, um anjo forte, que proclamava em grande voz: Quem é digno de abrir o livro e de lhe desatar os selos? Ora, nem no céu, nem sobre a terra, nem debaixo da terra, ninguém podia abrir o livro, nem mesmo olhar para ele; e eu chorava muito, porque ninguém foi achado digno de abrir o livro, nem mesmo de olhar para ele. Todavia, um dos anciãos me disse: Não chores; eis que o Leão da tribo de Judá, a Raiz de Davi, venceu para abrir o livro e os seus sete selos. Então, vi, no meio do trono e dos quatro seres viventes e entre os anciãos, de pé, um Cordeiro como tendo sido morto. Ele tinha sete chifres, bem como sete olhos, que são os sete Espíritos de Deus enviados por toda a terra. Veio, pois, e tomou o livro da mão direita daquele que estava sentado no trono; e, quando tomou o livro, os quatro seres viventes e os vinte e quatro anciãos prostraram-se diante do Cordeiro, tendo cada um deles uma harpa e taças de ouro cheias de incenso, que são as orações dos santos, e entoavam novo cântico, dizendo: Digno és de tomar o livro e de abrir-lhe os selos, porque foste morto e com o teu sangue compraste para Deus os que procedem de toda tribo, língua, povo e nação e para o nosso Deus os constituíste reino e sacerdotes; e reinarão sobre a terra.

Apocalipse 12:5-12
Nasceu-lhe, pois, um filho varão, que há de reger todas as nações com cetro de ferro. E o seu filho foi arrebatado para Deus até ao seu trono. A mulher, porém, fugiu para o deserto, onde lhe havia Deus preparado lugar para que nele a sustentem durante mil duzentos e sessenta dias. Houve peleja no céu. Miguel e os seus anjos pelejaram contra o dragão. Também pelejaram o dragão e seus anjos; todavia, não prevaleceram; nem mais se achou no céu o lugar deles. E foi expulso o grande dragão, a antiga serpente, que se chama diabo e Satanás, o sedutor de todo o mundo, sim, foi atirado para a terra, e, com ele, os seus anjos. Então, ouvi grande voz do céu, proclamando: Agora, veio a salvação, o poder, o reino do nosso Deus e a autoridade do seu Cristo, pois foi expulso o acusador de nossos irmãos, o mesmo que os acusa de dia e de noite, diante do nosso Deus. Eles, pois, o venceram por causa do sangue do Cordeiro e por causa da palavra do testemunho que deram e, mesmo em face da morte, não amaram a própria vida. Por isso, festejai, ó céus, e vós, os que neles habitais. Ai da terra e do mar, pois o diabo desceu até vós, cheio de grande cólera, sabendo que pouco tempo lhe resta.

Rev. Gyordano M. Brasilino

Christus Victor e Substituição Penal — Material de estudo gratuito

Links reunidos para facilitar a vida de quem quer estudar o tema. São textos, vídeos e até um ebook. Bons estudos.

[Ebook] “Punido pelo Pai? | Rev. Gyordano, Jadson Targino
https://drive.google.com/file/d/1Ek64cu9OtJs6vFr9Rm6fLQ7f8BXxbU9q/view?usp=sharing

[Vídeo] “Jesus foi punido em seu lugar?” (25 min)
https://www.youtube.com/watch?v=Z2AeJLeIpCU&t=0s

[Vídeo]Christus Victor” (30min)
https://www.youtube.com/watch?v=Ui4xqBsox3o&t=0s

[Vídeo]Christus Victor e Expiação” no canal PapoSacro Cast (2h)
https://youtu.be/sdvclouEwe4

[Vídeo]Substituição Penal” no canal Tertúlia (1h)
https://youtu.be/uIWD2m-tIjE

[Texto] “Expiação não é punição” | Rev. Gyordano
https://vineadei.wordpress.com/2020/06/19/expiacao-nao-e-punicao/

[Texto] 33 Teses contra a Substituição Penal | Rev. Gyordano
https://vineadei.wordpress.com/2017/08/28/33-teses-contra-a-substituicao-penal/

[Texto] O que é a Expiação? | Rev. Gyordano
https://vineadei.wordpress.com/2021/04/06/o-que-e-a-expiacao/

[Texto] O que é Christus Victor? | Rev. Gyordano
https://vineadei.wordpress.com/2020/06/03/o-que-e-christus-victor/

[Texto] A Cruz é mesmo o pagamento do pecado?| Rev. Gyordano
https://vineadei.wordpress.com/2020/05/22/a-cruz-e-mesmo-o-pagamento-do-pecado/

[Texto] O Cordeiro Vitorioso| Rev. Gyordano
https://vineadei.wordpress.com/2017/09/13/o-cordeiro-vitorioso/

[Texto] Ressuscitou para nossa justificação| Rev. Gyordano
https://vineadei.wordpress.com/2017/03/30/ressuscitou-para-nossa-justificacao-rm-425/

[Texto] Não, a Bíblia não ensina Substituição Penal. Em nenhum lugar.” | Rev. Gyordano
[Sobre Isaías 53, 2Coríntios 5:21 e Gálatas 3:10-13)
https://vineadei.wordpress.com/2021/04/07/nao-a-biblia-nao-ensina-substituicao-penal-em-nenhum-lugar/

[Texto] “Christus Victor no Novo Testamento: (quase) todos os textos” | Rev. Gyordano
https://vineadei.wordpress.com/2021/04/11/christus-victor-no-novo-testamento-quase-todos-os-textos/

[Texto] “A morte é uma punição?” | Rev. Gyordano
https://vineadei.wordpress.com/2021/04/12/a-morte-e-uma-punicao/

[Texto] “O Dia da Expiação: o que você entendeu errado.” | Rev. Gyordano
https://vineadei.wordpress.com/2021/04/14/o-dia-da-expiacao-o-que-voce-entendeu-errado/

[Texto] “Hebreus 9:22 não tem nada a ver com Substituição Penal.” | Rev. Gyordano
https://vineadei.wordpress.com/2021/04/15/hebreus-922-nao-tem-nada-ver-com-substituicao-penal/

[Texto] “Cristo morreu ‘por nós’. O que isso significa?” | Rev. Gyordano
https://vineadei.wordpress.com/2021/04/16/cristo-morreu-por-nos-o-que-isso-significa/

[Texto] “Sobre a tradução de Isaías 53 — uma amostra grátis” | Rev. Gyordano https://vineadei.wordpress.com/2021/04/21/sobre-a-traducao-de-isaias-53-uma-amostra-gratis/

[Texto] “Cristo bebeu mesmo o cálice da ira de Deus?” | Rev. Gyordano
https://vineadei.wordpress.com/2021/04/28/cristo-bebeu-mesmo-o-calice-da-ira-de-deus/

[Texto] Santo Agostinho contra a Substituição Penal” | Jadson Targino
https://jadsontargino.medium.com/santo-agostinho-contra-a-substituição-penal-9c2417154a06

[Texto] “Os Nove Problemas Principais com a Substituição Penal” | Rev. Gyordano
https://vineadei.wordpress.com/2021/05/03/os-nove-problemas-principais-com-a-substituicao-penal/

[Texto] “Os Cinco Erros Principais na Leitura de Isaías 53” | Rev. Gyordano
https://vineadei.wordpress.com/2021/05/04/cinco-erros-principais-na-leitura-de-isaias-53/

O que é a Expiação?

No Gólgota, havia dois ladrões, cada um de um lado de Jesus, recebendo o mesmo suplício que ele. Assim como eles, milhares de pessoas foram crucificadas no Império Romano. A morte de nenhuma dessas pessoas tem o poder redentor, mesmo sendo o mesmo tipo de morte. O que torna a morte de Cristo diferente? O que faz com que ela seja redentora? O que havia de diferente naqueles sofrimentos?

Com certeza aquele não foi o primeiro ato de injustiça cometido numa crucificação. Inocentes foram mortos antes e outros o foram depois. No entanto, um dos documentos cristãos mais antigos que temos, o hino crístico de Filipenses 2:5-11, aponta uma das primeiras interpretações teológicas da morte de Cristo: ele foi obediente até à morte de cruz (a mais abjeta) e, por isso, Deus o exaltou dando-lhes um nome acima de qualquer outro, para que todos o confessem como Senhor.

A obediência Cristo é recompensada com um prêmio. O humilhado é exaltado. Como em Daniel 7, isso significa que o tirano é deposto no Concílio Divino. Isso está na essência do querigma: Cristo entraria na glória através do sofrimento (Lc 24:26; Hb 12:2; 1Pe 1:11), da mesma maneira que ele nos ensina a fazer. Ele venceu e, com isso, pode abrir o Livro da Vida (Ap 5:9-10).

Ao tomar sobre si essas dores, particularmente a cruz romana, Cristo estava sofrendo nas mãos do Quarto Império, em conformidade com a profecia, tudo em razão do castigo de Israel pronunciado por Jeremias. O sofrimento de Cristo é uma continuação e o ápice do Cativeiro Babilônico. Como o representante do Servo de Javé (Israel) de Isaías 53, Cristo sofre nas mãos dos gentios. Nele, todo o castigo de Israel é consumado.

Mas se Cristo sofre o castigo de Israel nas mãos de Israel, isso significa o fim da Antigo Aliança. O Deus de Israel é morto por Israel nas mãos dos gentios. O fim da aliança significa o fim do domínio do escrito de dívida que é a Torá (Cl 2:14-15), e, com isso, a salvação é aberta para o mundo todo, para aqueles que estão fora da Torá. Cristo se faz maldição (não maldito!) para que, com isso, a benção de Deus possa passar aos gentios (Gl 3:13-14). Ele é rejeitado pelos homens para que eles sejam abraçados por Deus. Em Gálatas 3 (todo o capítulo), essa bênção prometida é a justificação pela fé — ou seja, o recebimento do Espírito Santo, a Nova Vida escatológica (cf. At 2:32-33). Em suma, com sua morte, Cristo derrama o Espírito sobre o mundo, rompendo as barreiras nacionais colocadas (temporariamente) pela Torá. Somente Cristo poderia fazer isso, pois nenhum outro israelita é o Deus de Israel.

Se o domínio da Torá termina, perdem seu poder os Arcontes Elementais do Mundo (ta stoicheia tou kosmou), que a usavam para dividir e dominar. Cristo instaura a nova era, que não é a dos anjos (Hb 2:5), mas a do Filho do homem. Sua morte é, portanto, uma vitória libertadora, um grande exorcismo do mundo, um livramento dos cativos: Christus Victor. Tudo isso já havia iniciado quando Cristo curou os oprimidos do diabo e exorcisou os homens — sua missão é batalha espiritual, o poder do Espírito é sinal da chegada do Reino escatológico, sua morte é “a hora e o poder das trevas” pela traição de um discípulo endemoniado.

Mas o juízo que Cristo sofre do Sinédrio e de Pilatos é irônico. Ele aparece como o juízo do mundo, pois cabe ao Filho, e não ao Pai, exercer todo o juízo (Jo 5:22,27): Christus Judex. Na cruz, ele expulsa o príncipe deste mundo (Jo 12:31-33), ele anula o poder do diabo (Hb 2:14-15), pois foi para isso que ele se manifestou (1Jo 3:8). Essa é a dimensão apocalíptica de sua obra: a redenção (alforria) é justificação, e a justificação é Deus colocando ordem no mundo.

Na raiz de todo o problema está o pecado: a desordem maligna que invade a bela criação de Deus. Pois o pecado não é só uma violação ou ofensa, mas corrupção, destruição. O Messias é o médico que vem aos pecadores para curá-los pelo arrependimento escatológico: Christus Medicus. Sua obra redentora aplica a justiça restaurativa e medicinal (não meramente punitiva) de Deus.

Em tudo isso, Cristo cumpre não só a vocação de Israel, mas recapitula a vocação de Adão. Ele é o segundo Adão que recupera e supera (com sua obediência) tudo o que foi perdido no primeiro (com sua desobediência); onde abundou o pecado, superabundou a graça. Adão provocou morte; Cristo, vida. No primeiro todos morrem; no segundo todos serão vivificados. Esse é, mais uma vez, o prêmio de sua obediência.

Com isso, Cristo cumpre a missão para a qual os sacrifícios expiatórios da Torá eram meras sombras. Como se descobriu na Era Axial, a essência dos sacrifícios estava no coração contrito (Sl 51:16-17), para o qual o rito exterior do oferecimento dos animais (e outras coisas) eram símbolos. O sangue era a vida (não a morte) oferecida a Deus, intercessoriamente, pela purificação dos homens. Na Lei, “expiar” é “cobrir” — não encobrir culpas, mas cobrir feridas. É o rito de cura (Barker). Cristo, através de sua obediência (fazendo a vontade do Pai), realiza o que os sacrifícios não podiam (Hb 10:2-10). Ele realiza, através de sua obediência, a intercessão que não se podia fazer. Por isso, sua obra não foi concluída na cruz. Ele continua a interceder (Rm 8:34; Hb 7:25; 9:24). Ele conquistou essa intercessão, inclusive pelo envio do Espírito Santo (Jo 14:16).

É nesse sentido que somos reconciliados com Deus. Cristo intercede pelos nosso perdão e nos purifica de toda a corrupção de nossas almas, através da obra contínua Espírito Santo. Todo o sistema de pureza e sacrifício da Lei repousa no princípio de que o impuro não pode adentrar no espaço sagrado e tocar no que é santo — que não se dê as coisas santas aos cães. Não há comunhão de Deus com as trevas. Purificando nossa alma, Cristo nos permite tornar à comunhão. Eis a essência da reconciliação. É nesse sentido que somos perdoados através da morte de Cristo. Não há perdão sem purificação. É somente no sentido de intercessão e purificação que podemos falar de “satisfação”.

Consistentemente, a Escritura sempre ensina que somos reconciliados com Deus, e jamais que ele é reconciliado conosco, ou propiciado em nosso favor. (Tais coisas só fazem sentido como linguagem figurativa.) Pois Deus é imutável, impassível — o Amor imutável, a Compaixão impassível. Todo o problema está em nós, não em Deus; por isso, na redenção, toda a mudança ocorre em nós, não em Deus. Nós retornamos à comunhão com ele, por iniciativa daquele que se assentou com pecadores para curá-los.

A cura que Cristo realiza consiste em fazer habitar nós o seu Espírito, o Espírito de Cristo, que mana do trono de Deus e do Cordeiro, e que nos cristifica e cruciforma. Nesse sentido, os sofrimentos de Cristo não são substitutos — ele não sofreu em nosso lugar em sentido literal —, mas representativos e participativos: ele sofre conosco, em nós, e nós completamos os seus sofrimentos (Cl 1:24). Nós participamos dos sofrimentos do Messias para, com ele, podermos entrar em sua glória (Rm 8:17; 2Co 1:5; Fp 3:10; 2Tm 2:11-12; 1Pe 4:13-14 ).

Nossa transformação consiste em revivermos toda a história de Cristo: renascemos com ele, padecemos com ele, morremos com ele, somos sepultados com ele, com ele revivemos, com ele ascendemos, com ele herdamos o Reino. Somos conformados à Imagem (eikōn, ícone) do Homem Celestial, sendo diariamente glorificados para refletir a sua imagem. Isso não é mero exemplarismo e imitação; é o poder do Crucificado e Ressuscitado habitando nos homens, pela fé, na vida batismal.

Os sofrimentos de Cristo são partilhados por nós: ele não bebeu nosso cálice em nosso lugar, mas nos chama a beber, com ele, do seu cálice; ele não levou sobre si a nossa cruz em nosso lugar (literalmente), mas nos chama a carregarmos a cruz com ele; ele não foi expulso da cidade terrena em nosso lugar, mas abriu a porta para que saiamos com ele, carregando com ele o seu vitupério. Não há substituição aí. Há participação. Tudo isso nos ajuda a entender o que foram os sofrimentos de Cristo na economia da redenção, pois nós participamos deles e sabemos que o que Deus deseja de nós não é o mero sofrimento (sádico), mas a obediência em meio aos sofrimentos. Assim foi também com Cristo.

Com tudo isso, podemos dizer: a obra da redenção não é apenas a cruz, embora ela esteja no centro. A redenção é sua paixão, morte, descenso, ressurreição, ascensão, intercessão e futura parusia. Particularmente sua ressurreição é responsável por nossa justificação (Rm 4:25), ou seja, por nossa libertação do poder da morte, cujos grilhões ele destruiu ao ressurgir vitoriosamente.

Diante dessas coisas, discussões sobre expiação limitada ou ilimitada perdem muito do sua utilidade. Elas fazem algum sentido se nós nós perguntamos se Cristo morreu no lugar de alguém ou pagou o preço de alguém. Mas se Cristo ataca o inimigo, sua obra tem não apenas um potencial universal, mas um efeito universal do qual nenhum ser humano escapará: todos, justos e ímpios, ressuscitarão, uns para a vida, outros para a condenação.

Por sua obra, Cristo realiza o sacrifício que sela a aliança ente Deus e os homens, para que ele seja o seu Deus e eles sejam o seu povo. O sacrifico de Cristo é a eclesiogênese pelo Espírito, é a habitação presente dos poderes do mundo vindouro. A nova aliança está no cálice.

Beba.

Rev. Gyordano M. Brasilino

Cristo na Arca

A leitura alegórica nos permite incorporar na leitura do Antigo Testamento textos que nos pareceriam hoje meras curiosidades.

Um caso é o da Arca da Aliança. Num dado momento, a arca faz uma movimentação de “três dias” (Nm 10:33) em busca de repouso. O interessante é que, de acordo com a movimentação, Moisés fazia certas orações. Quando a arca levantava, Moisés dizia (v. 35):

“Levanta-te [qûm], Senhor,
e dissipados sejam os teus inimigos,
e fujam diante de ti os que te odeiam.”

Quando a arca parava, ele dizia (v. 36):

“Volta [šûḇ], ó Senhor,
para os milhares de milhares de Israel.”

Essas orações ecoam no Antigo Testamento (cf. 2Cr 6:41; Sl 68:1; 132:8), e levam em conta que a Arca carrega a Presença Divina. A movimentação da arca é a movimentação de Deus.

Pois bem, as orações de Moisés indicam dois movimentos: a Arca se levanta (contra os inimigos) e repousa (para o povo). Quando se fala de levantar-se, o texto hebraico, bastante limitado em palavras — daí vem sua riqueza —, usa o verbo “qûm”, o mesmo usado para indicar o “ressuscitar” (como no aramaico de Mc 5:41).

Pois bem, essa é a chave para a leitura cristológica (alegórica) do texto. A movimentação da arca indica a ressurreição de Cristo, e ele ressuscita para vencer os seus inimigos. Mas ele também repousa (morre) e se encontra com os milhares de Israel.

Como os movimentos da vida de Cristo são de dois níveis — ele desce do céu à terra dos viventes (encarnação) e da terra ao abismo (morte), sobe do abismo à terra dos viventes (ressurreição), e da terra dos viventes ao céu (ascensão) —, há também um segundo sentido, no que a terra simboliza o céu. Cristo primeiramente desce do céu à terra, para se encontrar com Israel, e então desce mais uma vez para se encontrar com os antepassados. Ele sobe uma vez, do abismo à terra, para vencer seus inimigos, e então ascende aos céus, para reinar até colocar seus inimigos por estrado dos seus pés.

O verbo de retorno (šûḇ) é o mesmo usado para indicar o retorno do Senhor a Sião na profecia de Is 52:8 (texto messiânico na leitura cristã).

É interessante que um dos salmos que mencionam a ascensão da Arca, o Salmo 68, é usado alegoricamente no Novo Testamento justamente para falar da ressurreição e da ascensão (cf. Sl 68:18; Ef 4:8). Ou seja, essa é uma leitura apostólica, a de que os movimentos da Arca indicam os movimentos (anábase e catábase) de Cristo.

Alguns elementos cristológicos na Arca: ela carregava as Tábuas da Lei, a vara de Arão (autoridade sacerdotal) e o Maná (pão do céu).

Lembra dos três dias? Pois é.

Rev. Gyordano Montenegro Brasilino

Expiação não é punição

Minha publicação (20)

Nos debates sobre a obra do Redentor, o conceito de expiação é um dos mais importantes. Não estão errados os que tratam o mistério da redenção como doutrina da expiação, mas o que significa expiação? Os defensores da Substituição Penal acreditam que ela está ligada à punição, que a expiação dos nossos pecados acontece através de punições substitutivas, seja as punições (simbólicas?) dos animais no Antigo Testamento, seja a punição de Cristo no Novo. Continue lendo “Expiação não é punição”

O que é Christus Victor?

Minha publicação (8)

Christus Victor (“Cristo Vencedor”) é o tema segundo qual um propósito fundamental da obra de Cristo — particularmente quanto a sua paixão, morte, descida, ressurreição e ascensão — é uma vitória sobre os poderes das trevas, como o diabo a morte e o pecado, que oprimem o ser humano e o levam a uma vida de destruição, alienação, desintegração e condenação. É uma maneira de encarar e explicar a doutrina cristã da salvação. É a linguagem dos Pais da Igreja. Continue lendo “O que é Christus Victor?”

A Cruz é mesmo o pagamento do pecado?

Minha publicação (6)

Em alguns textos do Novo Testamento, aprendemos que os nossos pecados podem ser tratados e chamados como dívidas. Essa metáfora não existe no Antigo Testamento, que trata o pecado mais como fardo (a ser carregado) ou doença (a ser curada). Uma dívida pode ser perdoada ou paga, linguagem que acaba sendo transferida para o modo como lidamos com o próprio pecado. Continue lendo “A Cruz é mesmo o pagamento do pecado?”

Cristo e o Mundo da Inveja

Battistello_Caracciolo_-_Christ_and_Caiaphas_-_WGA04065

“Pois ele bem percebia que por inveja os principais sacerdotes lho haviam entregado.” Marcos 15:10

É comum que as descrições da morte de Jesus foquem em dois planos, o histórico e o teológico, cuidadosamente distinguidos e nestorianamente separados. No plano histórico, foi a morte de um profeta galileu, com pretensões messiânicas, após desafiar as autoridades político-religiosas de Jerusalém, padecendo então uma morte de escravo. No plano teológico, Deus entregou seu Filho único, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna, o qual, no seu sangue, realiza a expiação pelos pecados de todo o mundo. Continue lendo “Cristo e o Mundo da Inveja”

O Cordeiro Vitorioso

cordeiro.jpg

Todavia, um dos anciãos me disse: Não chores; eis que o Leão da tribo de Judá, a Raiz de Davi, venceu para abrir o livro e os seus sete selos. Então, vi, no meio do trono e dos quatro seres viventes e entre os anciãos, de pé, um Cordeiro como tendo sido morto. Apocalipse 5:5-6a

O mistério da salvação humana está gravado no oráculo do Vidente de Patmos. O Leão Vitorioso, digno de desatar os sete selos do Livro da Vida, que ninguém poderia sequer olhar, é ao mesmo tempo o Cordeiro Morto. A vítima inocente e inofensiva é Rei invencível. Sua morte é uma vitória — mas como? Continue lendo “O Cordeiro Vitorioso”