Paternidade espiritual é bíblica

Resultado de imagem para elijah and elisha

Chama-se paternidade espiritual a relação entre dois cristãos na qual existe um compartilhamento do evangelho e de vida, de maneira que Deus se utiliza de um para direcionar o outro. Diferentemente de uma amizade ou irmandade espiritual, a paternidade envolve posições desiguais: um é o papel do pai, outro é o filho. O pai ensina, orienta, corrige, até repreende, mas ama, cuida, fortalece e intercede. O filho honra, imita, serve, obedece. De que maneira o tema aparece nas Escrituras? Continue lendo “Paternidade espiritual é bíblica”

Um argumento canônico contra o memorialismo

Vinho e Pão

“E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações.” (Atos 2:42)

O memorialismo é a doutrina eucarística segundo a qual o papel da celebração da Ceia do Senhor é o de “memorial”, uma forma de lembrança do sacrifício de Cristo no Calvário. Grande parte dos seus defensores não crê que a Ceia do Senhor seja um meio de graça, um instrumento eficaz no qual Cristo se apresenta a quem o recebe, mas “apenas um símbolo”. Continue lendo “Um argumento canônico contra o memorialismo”

Jesus pregou o Evangelho — não as “Quatro Leis Espirituais”

Rembrandt

“Depois de João ter sido preso, foi Jesus para a Galiléia, pregando o evangelho de Deus, dizendo: O tempo está cumprido, e o reino de Deus está próximo; arrependei-vos e crede no evangelho.” (Marcos 1:14,15)

Jesus pregou o Evangelho. Não apenas a Bíblia diz que Jesus e seus discípulos pregaram o Evangelho (Mt. 4:23; 9:35; 11:5; Mc. 1:14,15; 14:9; Lc. 4:43; 7:22; 8:1; 9:6; 20:1), mas os livros que narram a da vida, morte e ressurreição de Jesus são conhecidos como “Evangelhos”. Talvez o título de três deles seja posterior, mas o Evangelho de Marcos começa com a linha: “Princípio do Evangelho de Jesus Cristo” (Mc. 1:1). Continue lendo “Jesus pregou o Evangelho — não as “Quatro Leis Espirituais””

A Voz de Cristo nos Evangelhos

0 T

“Passará o céu e a terra, mas as minhas palavras não passarão.” (Marcos 13:31)

As palavras de Jesus são o tema de permanente reflexão da Igreja. Com razão a pregação da Igreja acentua os atos salvíficos de Jesus, especialmente sua Encarnação, Crucificação e Ressurreição, mas tudo isso permaneceria sem sentido, se não o recebesse da voz do próprio Senhor. As palavra do rabi da Galiléia alegram e entristecem, escandalizam e atraem, consolam e ameaçam,  condenam e salvam. Continue lendo “A Voz de Cristo nos Evangelhos”