O que Deus acha de punir um inocente?

A Field Guide to Icons | vodkashootsyou

Cristo morreu como um inocente completo e absoluto, sem qualquer culpa. Em qualquer discussão sobre o propósito da sua morte no plano divino, em algum momento a questão da sua inocência vem à tona. Os Evangelhos pintam a cena de seu julgamento como envolvendo uma mistura de testemunhos mentirosos, inveja, pressão, interesses políticos e ignorância, pois só uma mistura dessas coisas poderia levar à condenação de um inocente. Aqueles que hoje acreditam que, além de ser um inocente sofrendo na justiça humana, Cristo também era um inocente sofrendo na justiça divina, isto é, que Cristo foi punido pelo Pai no lugar dos homens, precisam lidar com o fato de que Cristo era inteiramente inocente. É justo punir um inocente? Pois podemos facilmente dizer que o tribunal humano que condenou Cristo foi injusto. Mas não podemos dizer o mesmo do tribunal divino. Juízo e justiça são a base do trono de Deus.

O que Deus pensa dessa questão? Nosso instinto moral nos dirá que é injusto punir inocentes, e não esperamos que Deus, o juiz mais justo de todos, nos diga algo diferente. De fato, demonstrar que é injusto punir inocentes é quase como tentar provar que a grama é verde. Essa é uma regra tão universal, presumida por todas as nossas reflexões éticas e sistemas jurídicos, que é estarrecedor que precise ser dita ou que se precise argumentar em seu favor. Todos aqueles que leem sabem, no fundo, que há profunda injustiça em punir um inocente. Mas como há quem afirme que Deus pode punir inocentes (ao menos no caso de Jesus), é importante visualizar como as Escrituras colocam essa questão, não só na rejeição completa da punição de inocentes, como na linguagem com que essa rejeição aparece.

Um primeiro grande exemplo na Bíblia é o da destruição da cidade ímpia de Sodoma, a cidade de Ló, pela qual Abraão intercedeu. Javé revela a Abraão que a cidade será destruída pois “o seu pecado é gravíssimo” (Gn 18:20). No entanto, aquela palavra pareceu dura a Abraão, que inicia uma “luta” com Deus em oração, tentando encontrar a possibilidade de que, em razão dos justos que morassem ali, a cidade não fosse condenada.

Gênesis 18:23-25
“E, aproximando-se a ele, disse: Destruirás o justo com o ímpio? Se houver, porventura, cinquenta justos na cidade, destruirás ainda assim e não pouparás o lugar por amor dos cinquenta justos que nela se encontram? Longe de ti o fazeres tal coisa, matares o justo com o ímpio, como se o justo fosse igual ao ímpio; longe de ti. Não fará justiça o Juiz de toda a terra?”

Para Abraão, era uma questão clara: Deus não iria destruir o justo com o ímpio. Seria injustiça dar a ambos a mesma punição. Há aí uma conexão direta com a justiça (mišpāṭ) de Deus. A justiça de Deus exige que o justo não sofra a mesma punição do ímpio. Que esse não é só um pensamento de Abraão, mas algo com o que Deus concorda, mostram as sucessivas respostas que Deus dá a Abraão, a começar desta: “Se eu achar em Sodoma cinquenta justos dentro da cidade, pouparei a cidade toda por amor deles.” (18:26). Os injustos são poupados por amor aos justos, para que os justos não sejam punidos em razão dos ímpios. É preferível, para Deus, dar temporariamente o destino dos justos aos ímpios do que dar o destino dos ímpios aos justos (cf. Is 65:8; Jr 5:1; Ez 22:30; Mt 24:22). Portanto há um claro pendor, na justiça divina, para a misericórdia, não para a severidade. De fato, todos os caminhos de Deus são justiça (Dt 32:4).

Esse não é o único caso em que a Escritura Sagrada coloca a justiça de Deus ao lado do inocente. Outros exemplos são estes:

Êxodo 23:6-8
“Não perverterás o julgamento do teu pobre na sua causa. Da falsa acusação te afastarás; não matarás o inocente e o justo, porque não justificarei o ímpio. Também suborno não aceitarás, porque o suborno cega até o perspicaz e perverte as palavras dos justos.”

Deuteronômio 24:16
“Os pais não serão mortos em lugar dos filhos, nem os filhos, em lugar dos pais; cada qual será morto pelo seu pecado.”

Provérbios 6:16-19
Seis coisas o Senhor aborrece, e a sétima a sua alma abomina: olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, coração que trama projetos iníquos, pés que se apressam a correr para o mal, testemunha falsa que profere mentiras e o que semeia contendas entre irmãos.”

Provérbios 17:15,26
“O que justifica o perverso e o que condena o justo abomináveis são para o Senhor, tanto um como o outro. Não é bom punir ao justo; é contra todo direito ferir ao príncipe.”

A Escritura condena, em vários momentos, a injustiça de matar o justo ou o inocente (Dt 19:10,13; 1Sm 19:5; 2Rs 21:16; 24:4; Sl 94:21; 106:38; Pv 1:11; Is 59:7; Jr 7:6; 22:3,17; 26:15; Jl 3:19; Mt 27:4; Tg 5:6 etc). Por isso, o próprio Cristo, como inocente, se lançava nas mãos “daquele que julga justamente” (1Pe 2:23), o que não faria nenhum sentido se aquele que julga justamente o estivesse punindo por pecados de outras pessoas. O que Cristo fez foi se entregar aos cuidados daquele que não pune inocentes e que não apoia a punição de inocentes.

Nesse sentido, ao rejeitar a punição do inocente, a Escritura Sagrada sustenta que somente o culpado pode ser punido. Há um vínculo entre um mal praticado, uma pessoa que o cometeu e uma punição: “Riscarei do meu livro todo aquele que pecar contra mim.” (Êxodo 32:33). Numa linguagem muito semelhante, o profeta Ezequiel transmite o oráculo da justiça divina: “a alma que pecar, essa morrerá.” (Ez 18:4). Cada um é julgado por suas próprias obras. De fato, o trecho de Ezequiel merece muita atenção:

Ezequiel 18:1-4,19-24
Veio a mim a palavra do Senhor, dizendo: Que tendes vós, vós que, acerca da terra de Israel, proferis este provérbio, dizendo: Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos é que se embotaram? Tão certo como eu vivo, diz o Senhor Deus, jamais direis este provérbio em Israel. Eis que todas as almas são minhas; como a alma do pai, também a alma do filho é minha; a alma que pecar, essa morrerá.
Mas dizeis: Por que não leva o filho a iniquidade do pai? Porque o filho fez o que era reto e justo, e guardou todos os meus estatutos, e os praticou, por isso, certamente, viverá. A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a iniquidade do pai, nem o pai, a iniquidade do filho; a justiça do justo ficará sobre ele, e a perversidade do perverso cairá sobre este. Mas, se o perverso se converter de todos os pecados que cometeu, e guardar todos os meus estatutos, e fizer o que é reto e justo, certamente, viverá; não será morto. De todas as transgressões que cometeu não haverá lembrança contra ele; pela justiça que praticou, viverá. Acaso, tenho eu prazer na morte do perverso? — diz o Senhor Deus; não desejo eu, antes, que ele se converta dos seus caminhos e viva? Mas, desviando-se o justo da sua justiça e cometendo iniquidade, fazendo segundo todas as abominações que faz o perverso, acaso, viverá? De todos os atos de justiça que tiver praticado não se fará memória; na sua transgressão com que transgrediu e no seu pecado que cometeu, neles morrerá.

Ezequiel, assim como Jeremias, profetizava o juízo da nação de Israel naquele momento. Era um juízo nacional, intimamente ligado aos pecados das gerações anteriores e, mesmo assim, o profeta indicava a responsabilidade individual. Para Ezequiel, Deus não pune inocentes. Isso é importante porque a resposta mais comum a esse princípio, por parte dos que acreditam que Deus pode punir inocentes, é assinalar casos bíblicos de juízos sobre famílias e nações, os quais podem, segundo se argumenta, envolver a punição de inocentes. Embora esses textos sejam importantes e testemunhem a amplitude com a qual a Escritura trata essa questão, as coisas nunca são tão simples. Mesmo nos textos bíblicos escritos em condições em que se vislumbra responsabilidade coletiva, nesses casos sempre existe a possibilidade do repúdio mal, para que não haja conivência coletiva (cf. Dt 21:1-9).

Na verdade, toda essa questão desaparece inteiramente se percebermos que, na execução da condenação, o juiz não é o Pai, e sim o Filho (Jo 5:22,27), e que, portanto, o Filho não foi, de modo algum, condenado pelo Pai.

Rev. Gyordano M. Brasilino

O senso de indignação salvará a Substituição Penal?



Ontem uma pessoa me trouxe uma pergunta-objeção de que eu gostei muito. Eu afirmo que Deus perdoa sem exigir punição, isto é, que Deus perdoa de fato perdoando, não num perdão fictício através de punição. A objeção foi a seguinte:

Imagine-se que alguém mata toda a minha família e agora estamos diante do juiz. O juiz chega à conclusão de que aquela pessoa realmente cometeu o assassinato, mas diz: “eu sou um juiz bondoso, e, por isso, vou perdoar o assassino.” Como eu me sentirei? Indignado, com certeza. Com isso, se quer dizer que o perdão não pode eliminar a punição. O senso de indignação seria um sinal da condição moral do comportamento do juiz em perdoar sem punir.

A pessoa que trouxe essa objeção disse que a ela foi posta por um pregador americano bastante popular. Por uma questão de ética, não direi que o pregador é Paulo Lavador.

Eu devo confessar que gosto muito dessa objeção, por um motivo óbvio: ela não é uma objeção bíblica. O que se tenta provar não pode ser fundamentado nas Escrituras, e o objetor (conscientemente ou não) sai do terreno bíblico para o da lei natural e do senso moral. Calvino faz mais ou menos o mesmo nas Institutas, apelando para a consciência incapaz de aceitar perdão sem punição (e isso abre uma janela interessante para os problemas de consciência do próprio Calvino). Eu não tenho nenhum problema com argumentar a partir da lei natural — parte da ética cristã depende de certos juízos não bíblicos —, mas quem coloca essa objeção precisa reconhecer que saímos do terreno bíblico.

O senso de indignação diante da situação inicial é, ao menos em parte, uma coisa importante. Envolve uma busca pela justiça, e a justiça envolve que o mal seja reconhecido. Se, diante do mal, nada acontece, não há diferença entre o mal e o bem.

Como eu responderia a essa objeção? De dois modos:

Primeiro, eu faria a seguinte proposta: vamos aplicar a Substituição Penal a essa situação, e vejamos o que acontece. Imagine-se que, na mesma situação, o juiz diz algo diferente: “realmente ele cometeu esse crime terrível, mas vou permitir que outra pessoa, um inocente, sofra a punição, enquanto ele pode sair ileso”. Como nos sentiremos nessa situação? Será que o senso de indignação ficou satisfeito? Na verdade, se formos pessoas moralmente sensatas, e não apenas preocupadas com nossa própria família, a nossa indignação agora triplicou: primeiro, porque o problema inicial não foi resolvido; segundo, porque agora ele está ainda mais longe de ser resolvido; terceiro, porque um inocente vai sofrer, sem culpa.

Então, em vez de solucionar o problema, a Substituição Penal o agrava. E, diferentemente da experiência imaginativa inicial, nesse caso podemos provar, a partir das Escrituras, a infâmia que é atribuir ao Justo Juiz a punição do inocente.

Segundo, ainda resta a situação colocada. Como eu a resolveria?

Nosso senso de indignação tem, em grande parte, a ver com um valor imenso (a vida) que foi perdido irremediavelmente. Não temos o mesmo senso de indignação com uma obra de arte destruída (mesmo que não possa ser reconstruída). Temos uma indignação ainda menor com a destruição de um objeto que pode ser restituído.

Então, mudando um pouco a situação, imagine que um ladrão, arrependido, devolve o que roubou e paga uma multa (já que o apenas devolver não resolve a situação). Numa situação assim, ninguém dirá que ele precisa receber punição total, ou que alguém precisa receber no lugar dele. O senso de indignação fica satisfeito, porque o ladrão foi capaz de fazer certa restituição. Nessa situação, ele não precisa ser punido (preso, mutilado, morto etc.), apenas restaurar o que foi destruído, mediante um arrependimento genuíno (que não somos capazes de julgar com perfeição).

Nós temos um senso de indignação violado porque perdemos nossa família e não há como a recuperar. Mas se fosse possível fazê-lo (e para Deus é possível), não seria uma indignação tão grande. No caso da vida, a justiça humana não é capaz de aplicar nada semelhante, porque a vida não pode ser restituída. Mas na justiça de Deus, ela pode, sim. Não há nada que Deus não possa restituir, restaurar, reparar e compensar, vindicando as vítimas. O poder restaurativo da justiça divina acrescenta uma dimensão importante a qualquer necessidade de retribuição.

Mas é importante observar que, para Deus, esse tipo de problema simplesmente não existe, porque, embora nós percamos, Deus não perde nada. Não pode haver para Deus *o mesmo* senso de indignação que há para nós. Se é uma ofensa a Deus, ele pode sim simplesmente retirar a queixa, já que Deus nunca perde nada. Ele é o juiz e não precisa prestar contas.

Na verdade, essa é a diferença entre Deus e o homem. Veja o que a Bíblia diz: “Não executarei o furor da minha ira; não voltarei para destruir a Efraim, porque eu sou Deus e não homem, o Santo no meio de ti; eu não entrarei na cidade.” (Oséias 11:9)

É aí que está a diferença entre Deus e o homem, justamente a capacidade de perdoar com liberdade. Ele é Deus e não homem. É por isso que ele progressivamente ensina o seu povo a fazer o mesmo. A não procurar vingança, a oferecer a outra face.

O melhor juiz não é o que faz a aplicação inflexível da lei, mas o que promove a realização da justiça.

Rev. Gyordano M. Brasilino

Justiça e Misericórdia

juízo final trono vazio
A ti também, Senhor, pertence a misericórdia;
pois retribuirás a cada um segundo a sua obra.
Salmos 62:12

Deus é absolutamente simples, sem corpo, partes ou paixões. A essência divina é o que é, nada podendo se lhe acrescentar ou subtrair. Deus nada recebe de suas próprias criaturas; antes, ele mesmo é o Princípio Absoluto de tudo o que há e é — não um ser entre outros, mas o Ser em si mesmo, e, portanto, absolutamente imutável. Enquanto nós, seres humanos, juntamente com todas as criaturas, somos compostos, uma mistura em contínuo fluxo, em integração e desintegração, em presença e ausência, em necessidade e contingência, em ato e potência, Deus é absolutamente puro, absolutamente intocável na Luz Inacessível. Enquanto nós somos nós mesmos e nossas circunstâncias, em Deus não há circunstância: Deus é o que é.

Continue lendo “Justiça e Misericórdia”

C. S. Lewis e o Dilema de Eutífron

C S Lewis

Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai.  Filipenses 4:8

A vontade de Deus é central para o modo como os cristãos encaram o sentido último de todas as coisas. Na Oração, o Filho de Deus ensinou os homens a pedir ao Pai Celeste dizendo que “seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu”, não muito diferente do que pediria no seu sofrimento: “não seja como eu quero, mas como tu queres”. Com isso não convencemos Deus a fazer Sua vontade, como se de outro modo Ele não a fizesse — Ele a fará —, mas apenas nos colocamos diante do mistério que ela encerra e a aceitamos com resignação e com fé, seja qual for. Pois, seja qual for, a vontade de Deus será sempre boa, ainda que vivenciá-la como boa exija a renovação da nossa própria mente.  A oração cristã, por si mesma, exige fé na bondade absoluta da vontade de Deus. Continue lendo “C. S. Lewis e o Dilema de Eutífron”

Trapo de Imundícia ou Linho Fino?

Judas

“Mas todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças, como trapo da imundícia; todos nós murchamos como a folha, e as nossas iniqüidades, como um vento, nos arrebatam.” (Isaías 64:6)

“Alegremo-nos, exultemos e demos-lhe a glória, porque são chegadas as bodas do Cordeiro, cuja esposa a si mesma já se ataviou, pois lhe foi dado vestir-se de linho finíssimo, resplandecente e puro. Porque o linho finíssimo são os atos de justiça dos santos.” (Apocalipse 19:7-8)

Na interpretação evangélica popular de Is. 64:6, ocorre um erro bastante comum, que é o de atribuir a esse texto uma abrangência universal: o “nossas” de Isaías se torna o “nossas” do leitor e do restante da humanidade, de modo que toda as nossas boas obras (“justiças”) passam a ser vistas como más, sujas, imundas, pecaminosas. Trapo de imundícia são os panos sujos que cobrem coisas que, pela lei mosaica, são julgadas como imundas, como a pele dos leprosos. Continue lendo “Trapo de Imundícia ou Linho Fino?”

O Massacre dos Canaanitas

vitoria-de-josue-sobre-os-amalequitas

“O SENHOR é misericordioso e compassivo;
longânimo e assaz benigno.
Não repreende perpetuamente,
nem conserva para sempre a sua ira.
Não nos trata segundo os nossos pecados,
nem nos retribui consoante as nossas iniqüidades.”
(Salmos 103:8-10)

A sombra da heresia de Marcião se faz presente quando o Antigo Testamento é nomeado. Fala-se com horror do “Deus do Antigo Testamento”. Com isso, quer-se dizer um que seja furioso, exigente e severo, em oposição ao amoroso e terno do Novo Testamento; um Deus distante e ritualista contra um Deus próximo e sentimental; um Deus que usa os seres humanos em oposição a um Deus que se doa aos seres humanos. Essa é uma das piores caricaturas da Sagrada Escritura. Continue lendo “O Massacre dos Canaanitas”

Torna-te o que tu és

luthertotle“Porque já estais mortos, e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus.”  (Colossenses 3:3)

É famosa a polêmica de Lutero contra Aristóteles. Se, por um lado, Lutero representava uma reação agostiniana extremada (até disparatada) à absorção da filosofia aristotélica pelos escolásticos, ele estava bem consciente da incompatibilidade entre diversos elementos da Ética de Aristóteles e a teologia da graça. Muito de Aristóteles precisava morrer para que ele fosse batizado. Continue lendo “Torna-te o que tu és”