Mesa ou Altar?

last-supper-coburg-panel[1]

Celebratio autem huius sacramenti… imago est quaedam repraesentativa passionis Christi, quae est vera immolatio. ST III, q83, a1, co.

A fala é um presente maravilhoso de Deus. O primeiro capítulo do Gênesis, o mesmo que nos conta sobre a Criação do Homem à imagem de Deus, apresenta a Deus trazendo a existência uma diversidade de coisas no universo com sua Palavra Criadora. Nos capítulos seguintes, a narrativa da Queda do Homem nos surpreende com uma serpente que não apenas fala, mas também usa as palavras para enganar e confundir, levando o homem à ruína. Bênção e maldição, nossas palavras podem criar um mundo fictício no qual nos prendemos. A Sagrada Escritura nos adverte, clara e distintamente, contra “contendas de palavras” e “porfias” (Gl. 5:20; 1Tm. 6:4). Continue lendo “Mesa ou Altar?”

Não discernindo o Corpo do Senhor

pano

“Pois quem come e bebe sem discernir o corpo do Senhor, come e bebe para sua própria condenação.” (1 Coríntios 11:29)

Uma das mensagens mais presentes no Antigo Testamento é a de que a presença de Deus e a maldade humana não podem conviver. Deus escolheu lugares para neles fazer habitar sua santidade. A terra de Israel é santa. A capital de Israel, Jerusalém, é santa. O Templo em Jerusalém é santo. Por conta disso, Deus não toleraria a prática do pecado nesses lugares. A imoralidade (Lv. 18:24-30), homicídio (Nm. 35:33,34), idolatria (Jr. 16:18) ou pecado em geral (Is. 24:5) profanariam a terra que Deus quis que fosse santa. Continue lendo “Não discernindo o Corpo do Senhor”