Lava-Pés: Quatro Sentidos

Podemos ver quatro sentidos (não exaustivos e não exclusivos) no ato de Cristo de lavar os pés dos seus discípulos.

☩ Sentido Literal: Ao lavar os pés dos discípulos, Cristo coloca diante deles um exemplo a ser seguido. Eles deveriam estar dispostos a ter seus pés lavados e lavar os pés mutuamente, mostrando, com isso, um compromisso de humildade, serviço, reciprocidade, fidelidade a Cristo. No ambiente semítico e oriental de Jesus, o gesto de lavar os pés de outra pessoa era desonroso e inaceitável, que dirá se feito por um mestre, mas esse amor extremo de Jesus deve iluminar todas as nossas práticas e toda a nossa vida.

☩ Sentido Alegórico: O lava-pés é um ato profético (“compreendê-lo-ás depois”) que aponta, no contexto do Quarto Evangelho, para a missão do próprio Cristo, que foi despido em sua Paixão e verteu água quando ferido. Seu sacrifício traz transformação e pureza para os seus discípulos, uma pureza da qual eles precisam continuamente se limpar. Eles devem confiar em Jesus, e confiar que a humildade dele na cruz não é uma derrota, mas o meio pelo qual ele os purificaria. Ao dizer “Se eu não te lavar, não tens parte comigo“, Cristo mostra que não há salvação fora do seu sacrifício. Pedro, resistente à mensagem, representa aqui a Igreja na sua dimensão mais humana, frágil, que tantas vezes resiste ao plano do Senhor. Os discípulos, seguindo o modelo de Jesus, levam a pureza de Jesus para outras pessoas; eles limpam outras pessoas com a graça de Jesus, mas só o fazem plenamente se eles mesmos tiverem sido limpos.

☩ Sentido Moral: O texto aponta para duas dimensões da nossa alma, aquela que mais profundamente está ligada a Jesus (e portanto já está limpa) e aquela mais baixa, que continuamente se suja pelo contato com o mundo. Embora já tenhamos sido purificados por Jesus uma vez, não temos parte com ele a menos que ele limpe os nossos pés. Por isso, para termos plena comunhão com ele, precisamos de que ele nos limpe. A graça de Cristo nos livra mais facilmente dos pecados maiores e visíveis, mas há sempre uma sujeira por baixo que necessita de purificação. “Já lavei os pés, tornarei a sujá-los?” (Cânticos 5:3)

☩ Sentido Anagógico: Esse texto aponta para a pureza plena e definitiva que Cristo trará a nós e a este mundo. Embora ainda enfrentemos o pecado, um dia ele nos purificará por completo, limpará os nossos pés para que estejamos com ele para sempre em Terra Santa, na Nova Jerusalém. Ficarão de fora os impuros, mas, se já tivermos sido purificados pela lavagem do corpo, restará apenas uma limpeza menor, que ele fará por sua graça.

Rev. Gyordano M. Brasilino

A vela como símbolo

Texto originalmente publicado em 16.11.2020

Assim como os símbolos da Escritura aparecem em quatro níveis (quadriga) na leitura dos Pais, podemos ver um sentido quádruplo em símbolos como a vela.

1) O sentido LITERAL da vela é iluminar o ambiente com uma luz bela, quente, mais bela e viva que a luz elétrica, com uma “memória ancestral” que nós atrai para nossas raízes mais simples e primitivas.

2) O sentido ALEGÓRICO (a fé) é Jesus, a luz do mundo, que em seu sacrifício foi inteiramente consumido, e juntamente com ele todas as pequenas luzes mencionadas nas Escrituras, como João Batista (a comunhão dos santos), que brilham pela luz do Espírito Santo, vindo do céu sobre eles, preparando-lhes para serem mártires do Senhor.

3) O sentido MORAL (o amor) é a nossa alma subindo para Deus em oração. Assim como o incenso (que participa do fogo), a chama da vela se dirige para cima. Os antigos falavam dessa propriedade do fogo. Apontar para cima é naturalmente ser um símbolo da oração. Mas a oração deve ser sacrifício como o de Jesus, perseverante contra o vento frio, contra as trevas que em redor, contra a noite escura da alma. A chama arde continuamente sobre o altar.

4) Por fim, o sentido ANAGÓGICO (a esperança) é a Nova Criação, que, como a Sarça Ardente, será cheia da luz e da glória do Senhor, ao descer aos homens o Trono de fogo, mas, diferente da criação que há hoje, sem ser consumida.

Rev. Gyordano M. Brasilino