Existe cooperação entre Deus e o homem na salvação?


Resultado de imagem para medieval blacksmith drawing

A Igreja Anglicana ensina a cooperação entre Deus e o homem na salvação?

Continue lendo “Existe cooperação entre Deus e o homem na salvação?”

Anúncios

A Eficácia Cristocêntrica dos Sacramentos

00.159.223_PS1

Qualquer pergunta que fizermos sobre os sacramentos leva, em algum momento, à questão da sua eficácia — sua capacidade de produzir certos efeitos reais e espirituais, de cumprir certas promessa feitas por Cristo. A eficácia está lá quando tratamos do batismo de crianças  e é impossível ter uma postura correta sobre essa prática sem que primeiro a eficácia sacramental seja esclarecida , quando discutimos sobre a unidade visível dos membros Igreja, quando perguntamos se é possível salvação sem os sacramentos, ou se todos os que os recebem são salvos. Quando alguém percebe a importância e sutileza do ensino das Sagradas Escrituras sobre os sacramentos, essa questão emerge. Continue lendo “A Eficácia Cristocêntrica dos Sacramentos”

Jesus aboliu a distinção entre santo e profano?

Dez Leprosos

“A meu povo ensinarão a distinguir entre o santo e o profano
e o farão discernir entre o imundo e o limpo.”
(Ezequiel 44:23)

“Não deis aos cães as coisas santas,
nem deiteis aos porcos as vossas pérolas,
não aconteça que as pisem com os pés
e, voltando-se, vos despedacem.”
(Mateus 7:6)

A doutrina da separação entre o sagrado e o profano, entre o puro e o impuro, entre o limpo e o imundo, é um dos elementos mais importantes da disciplina da Torá. Ela regulava todo o relacionamento do homem com Deus, o único santo em si mesmo, fonte de toda santidade. Várias vezes, nos livros dos profetas, o povo israelita é repreendido por não ser fiel na observância dessas leis. Continue lendo “Jesus aboliu a distinção entre santo e profano?”

Ressuscitou para nossa justificação (Rm. 4:25)

Rembrandt Ressurreição de Cristo

ὃς παρεδόθη διὰ τὰ παραπτώματα ἡμῶν
καὶ ἠγέρθη διὰ τὴν δικαίωσιν ἡμῶν.
“Ele foi entregue à morte por nossos pecados
e ressuscitado para nossa justificação.”

(Romanos 4:25)

Que relação existe entre a Justificação e a Ressurreição? Se se fizer essa pergunta a um defensor da Substituição Penal e da Justiça Imputada, talvez não se obtenha nenhuma resposta satisfatória. Nessa teologia, a Ressurreição de Cristo não tem nenhum papel salvífico a desempenhar, mas somente a Cruz, por meio da qual a justiça de Cristo é atribuída (imputada) a nós, e nossos pecados atribuídos (imputados) a ele. Justificação seria apenas o projeto divino de matar alguém para que possa perdoar os “verdadeiros” culpados. Não resta nada para a Ressurreição, que assume função apologética: mostrar que realmente Jesus era o filho de Deus, e que seu sacrifício no Calvário foi aceito pelo Pai. É esse o ensino da Sagrada Escritura? Continue lendo “Ressuscitou para nossa justificação (Rm. 4:25)”

Oração e santificação

oracao-do-senhor-tissot

“De sorte que, meus amados, assim como sempre obedecestes, não só na minha presença, mas muito mais agora na minha ausência, assim também operai a vossa salvação com temor e tremor; porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade.” (Filipenses 2:12,13)

A famosa oração de Agostinho, “Domine, da quod iubes et iube quod vis” (Senhor, dá o que ordenas e ordena o que quiseres), captura a essência da súplica por santidade conforme ensinada nas Escrituras. Se ele nos dá o que exige, não há limites para o que possa exigir. Suas exigências são satisfeitas por aquilo que ele nos concede; desde que nos dê, estará satisfeito. Nossas próprias limitações se tornam como que irrelevantes, já que Deus é poderoso para fazer ainda mais do que o que pedimos ou imaginamos. Ainda assim, somos inteiramente dependente deles; se não nos conceder sua graça santificante, não iremos a parte alguma. Só podemos suplicar. Continue lendo “Oração e santificação”

Romanos 7:7-25 não é sobre você (eu espero)

Rembrandt - Apóstolo Paulo

“Porque nem mesmo compreendo o meu próprio modo de agir, pois não faço o que prefiro, e sim o que detesto.” (Romanos 7:15)

No tempo presente, a vida cristã é de constante combate contra os diversos pecados e tentações. Mesmo que saibamos que a vitória sobre o pecado se é realizada por Cristo em nós, a experiência cristã comum é a de que o pecado ainda é uma realidade poderosa, mesmo que não seja a realidade dominante. No sentimento correto e muito justo de buscar, na Sagrada Escritura, voz para as próprias tensões, freqüentemente os intérpretes de Rm. 7:7-25 vêem nas palavras de Paulo um eco dessa experiência comum: boas intenções que não conseguem vencer o pecado, não conseguem produzir boas ações. Continue lendo “Romanos 7:7-25 não é sobre você (eu espero)”

Regnum gratiae: Sobre a santidade da Igreja

ruinas

“Desposar-te-ei comigo para sempre; desposar-te-ei comigo em justiça, e em juízo, e em benignidade, e em misericórdias; desposar-te-ei comigo em fidelidade, e conhecerás ao SENHOR.” (Oséias 2:19,20)

Segundo o livro de Gênesis, quando Deus celebrou sua aliança com Abraão e sua descendência, ele lhes conferiu como sinal a marca da circuncisão, de maneira que todos os circuncisos e somente os circuncisos estariam em aliança com Deus (Gn. 17:10-14). As novas gerações já nasciam dentro da aliança de Deus antes mesmo de serem capazes de compreendê-la. Continue lendo “Regnum gratiae: Sobre a santidade da Igreja”