Dois modos de ler as Escrituras — A Genealogia de São Mateus

Evangelista Mateus inspirado por um anjo (cortado)

Duas formas de ler a Escritura sempre se ofereceram aos cristãos. Há um modo mais sutil, atento ao mundo do texto e seu modo peculiar de comunicação, assim como atento à natureza transcendente daquilo que nele se desvela. Há, por outro lado, o modo mais “cru”, que encara o texto como um conjunto de verdades já expostas, já facilmente “à mão”, sem necessidade de um encontro e de uma meditação. O primeiro modo encara as narrativas bíblicas como instâncias de uma narrativa maior (a história da salvação), às quais se reportam em primeiro lugar, como testemunhos da Verdade; o segundo, vê no texto verdades particulares sobre Deus e sobre os fatos do mundo. Continue lendo “Dois modos de ler as Escrituras — A Genealogia de São Mateus”

Anúncios

Romanos 7:7-25 não é sobre você (eu espero)

Rembrandt - Apóstolo Paulo

“Porque nem mesmo compreendo o meu próprio modo de agir, pois não faço o que prefiro, e sim o que detesto.” (Romanos 7:15)

No tempo presente, a vida cristã é de constante combate contra os diversos pecados e tentações. Mesmo que saibamos que a vitória sobre o pecado se é realizada por Cristo em nós, a experiência cristã comum é a de que o pecado ainda é uma realidade poderosa, mesmo que não seja a realidade dominante. No sentimento correto e muito justo de buscar, na Sagrada Escritura, voz para as próprias tensões, freqüentemente os intérpretes de Rm. 7:7-25 vêem nas palavras de Paulo um eco dessa experiência comum: boas intenções que não conseguem vencer o pecado, não conseguem produzir boas ações. Continue lendo “Romanos 7:7-25 não é sobre você (eu espero)”

A Maldição da Lei

3004177909

“Todos quantos, pois, são das obras da lei estão debaixo de maldição; porque está escrito: Maldito todo aquele que não permanece em todas as coisas escritas no Livro da lei, para praticá-las.” (Gálatas 3:10)

Uma das maiores dificuldades na leitura das Sagradas Escrituras é a falsa identificação entre o sentido do texto e as crenças do leitor contemporâneo. Quando as palavras do texto têm algo em comum com aquilo em que o leitor pensa ser verdadeiro, ele é levado a presumir que o escritor pensa exatamente como ele. Parte do trabalho de interpretação é tornar conscientes as suposições do leitor. Na leitura de Gl. 3:10, uma premissa que freqüentemente se oculta na interpretação é a de que é impossível obedecer a lei. O raciocínio (simplificado) é mais ou menos este:

São amaldiçoados os que não obedecem a lei inteiramente;
É impossível obedecer a lei inteiramente;
Portanto, ninguém obedece a lei inteiramente;
Portanto, todos estão amaldiçoados. Continue lendo “A Maldição da Lei”

Os Sete Sinais do Quarto Evangelho

A Ressurreição de Lázaro, Leon Bonnat [cortada]

E acontecerá que, se eles não te crerem, nem ouvirem a voz do primeiro sinal, crerão à voz do derradeiro sinal;” (Êxodo 4:8)

O Evangelho de João tem, além do famoso prólogo (1:1-18) e do epílogo (21), duas grandes partes, conhecidas pelos teólogos como o Livro dos Sinais (1:19-12:50) e o Livro da Glória (13:1-20:31). Embora os títulos não indiquem tudo que há em cada “metade” do Livro, eles nos apontam para um tema importante no Evangelho de João, que é como os sinais de Jesus apontam para a sua glória; como tudo aquilo que Jesus fez, de algum modo, aponta para sua crucificação e ressurreição. Continue lendo “Os Sete Sinais do Quarto Evangelho”