Dez ensinamentos da Bíblia negligenciados no mundo evangélico


Resultado de imagem para bible painting

A fidelidade dos evangélicos à Sagrada Escritura às vezes é frustrada por certa reticência em confessar aquilo que ela mesma ensina de modo claro e distinto sobre diferentes assuntos. Essas palavras não atingem a totalidade dos evangélicos, mas atingem em cheio certo tipo de evangelicalismo inculto de origem americana. Penso que a maioria dos evangélicos brasileiros, especialmente os de igrejas mais recentes, é atingida em ao menos um destes dez ensinamentos bíblicos.

Continue lendo “Dez ensinamentos da Bíblia negligenciados no mundo evangélico”

Anúncios

Orações impedidas

oração

“Então, chamarão ao SENHOR, mas não os ouvirá; antes, esconderá deles a sua face, naquele tempo, visto que eles fizeram mal nas suas obras.” (Miquéias 3:4)

“Maridos, vós, igualmente, vivei a vida comum do lar, com discernimento; e, tendo consideração para com a vossa mulher como parte mais frágil, tratai-a com dignidade, porque sois, juntamente, herdeiros da mesma graça de vida, para que não se interrompam as vossas orações.” (I Pedro 3:7)

Eu tenho um problema sério em ver, como algumas pessoas, um conflito entre a misericórdia e a justiça de Deus. Não consigo imaginar nada mais justo do que a misericórdia de Deus. É justo socorrer o necessitado, e essa é precisamente a definição de misericórdia. A confissão do Sl. 62:12 é exemplar: “A ti também, Senhor, pertence a misericórdia; pois retribuirás a cada um segundo a sua obra.” Continue lendo “Orações impedidas”

Oração e santificação

oracao-do-senhor-tissot

“De sorte que, meus amados, assim como sempre obedecestes, não só na minha presença, mas muito mais agora na minha ausência, assim também operai a vossa salvação com temor e tremor; porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade.” (Filipenses 2:12,13)

A famosa oração de Agostinho, “Domine, da quod iubes et iube quod vis” (Senhor, dá o que ordenas e ordena o que quiseres), captura a essência da súplica por santidade conforme ensinada nas Escrituras. Se ele nos dá o que exige, não há limites para o que possa exigir. Suas exigências são satisfeitas por aquilo que ele nos concede; desde que nos dê, estará satisfeito. Nossas próprias limitações se tornam como que irrelevantes, já que Deus é poderoso para fazer ainda mais do que o que pedimos ou imaginamos. Ainda assim, somos inteiramente dependente deles; se não nos conceder sua graça santificante, não iremos a parte alguma. Só podemos suplicar. Continue lendo “Oração e santificação”

Vãs repetições? — Um erro de tradução em Mt. 6:7

christ_in_garden_gethsemane_heinrich_hofmann1890

“Não te precipites com a tua boca, nem o teu coração se apresse a pronunciar palavra alguma diante de Deus; porque Deus está nos céus, e tu estás sobre a terra; assim sejam poucas as tuas palavras.” (Eclesiastes 5:2)

O que às vezes escandaliza no discurso de muitos evangélicos sobre oração é a falta de realismo. Enquanto se sabe e se afirma o “Orai sem cessar” (1Ts. 5:17), é comum que ele venha acompanhado de uma obrigação que o impossibilita: o dever da oração espontânea. Não é possível a um ser humano ser espontâneo sempre; há quem tenha maior facilidade, outros (como eu mesmo) têm maior dificuldade. Além disso, admita-se ou não, com o passar do tempo as orações ficam todas bastante iguais; você pode perceber que tipos de repetições certas pessoas sempre fazem, quando oram. Continue lendo “Vãs repetições? — Um erro de tradução em Mt. 6:7”

Mitos evangélicos sobre conversão

Semeador - Van Gogh (cortado)

“Os que foram semeados em boa terra são aqueles que ouvem a palavra e a recebem, frutificando a trinta, a sessenta e a cem por um.” (Marcos 4:30)

Um mito persistente na pregação evangélica é o de que é necessário, para a conversão, fazer uma “oração de conversão” ou “oração do pecador”. A Bíblia desconhece a prática de uma oração de conversão ou oração do pecador, que se tornou tão onipresente no evangelicalismo americano e brasileiro. Continue lendo “Mitos evangélicos sobre conversão”

Amor em duas teologias: Dietrich Bonhoeffer e C. S. Lewis

Fotsky

“Deus é amor; e quem está em amor está em Deus, e Deus nele.” (1Jo. 4:16b)

Um alemão e um britânico. Ambos viveram durante a Segunda Guerra, embora Bonhoeffer não tenha sobrevivido ao nazismo. Ambos cristãos profundamente preocupados com o relacionamento de sua fé cristã com a cultura e a sociedade. Eles representam duas tradições teológicas distintas, cujas histórias se misturam às de seus países — um luterano e um anglicano. Por isso, em Bonhoeffer e Lewis mostram-se duas formas contrastantes de encarar um dos assuntos mais importantes da pregação cristã: o amor. Continue lendo “Amor em duas teologias: Dietrich Bonhoeffer e C. S. Lewis”

Espiritualidade Cristã (7): A Oração

ChristOnMountain[1]

Da mesma forma o Espírito nos ajuda em nossa fraqueza, pois não sabemos como orar, mas o próprio Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis. (Rm. 8:26)

O cristianismo carrega uma verdade profundamente libertadora sobre sua espiritualidade, que impede que a oração se torne a medalha de um pequeno número de iluminados: não sabemos como orar (Rm. 8:26). Embora a Escritura ensine muito sobre oração (mais como exemplo que como prescrição) e muitos mestres da espiritualidade cristã de todas as épocas tenham feito importantes contribuições práticas, a grande verdade é que nenhum de nós sabe orar. Continue lendo “Espiritualidade Cristã (7): A Oração”